Divergência sobre preço emperra compra do Morada

O banco BMG também negocia a compra do carioca Morada, conforme informou o "Estado" há duas semanas. No entanto, a transação corre o risco de não sair por causa de divergências na definição do preço.

Leandro Modé, O Estado de S.Paulo

27 de abril de 2011 | 00h00

Segundo fontes que acompanham as negociações, diferentemente do Schahin, o Morada tem tocado suas operações normalmente. Por isso, os donos têm sido menos flexíveis nas conversas sobre preços.

A instituição tem como foco o crédito consignado em folha de pagamento, mesmo ramo em que o BMG se especializou. Em dezembro, o Morada tinha R$ 566 milhões em ativos.

Procurada, a assessoria do BMG disse que não havia informações sobre eventuais negociações com Schahin e Morada. Executivos dessas duas instituições não foram encontrados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.