Diversificar é a melhor receita para 2013

Análise: Michel Viriato

PROFESSOR DE FINANÇAS DO INSPER, O Estado de S.Paulo

31 de dezembro de 2012 | 02h03

Analisando o ranking dos investimentos de 2012 é possível perceber que ele é praticamente uma repetição de 2011. Os piores investimentos em 2011 mantiveram sua classificação em 2012 e os primeiros também seguraram sua posição. A pergunta que todos os investidores se fazem é: 2013 será uma repetição dos últimos dois anos?

O melhor investimento em 2011 e 2012 foi o fundo de investimento imobiliário (FII). Os FII têm ganhado popularidade desde 2009 e se configuram como uma atraente forma de adquirir uma renda mensal, pois os rendimentos são isentos de imposto de renda para pessoa física. É difícil acreditar que os FII repetirão em 2013 a forte valorização dos últimos anos, mas eles continuarão sendo um bom investimento.

A forte redução da taxa básica de juros, aliada a uma inflação ainda elevada colocou em evidência os títulos e fundos de investimentos referenciados a índices de preços em 2012. Embora a expectativa para a inflação em 2013 continue acima da meta, não se espera para 2013 uma queda de juros na mesma magnitude, ou seja, este segmento não deve ter o mesmo brilho.

Outro destaque de 2012 foi a demanda por investimentos com isenção de IR. Além dos FII, outros como LCI, CRI, LH e debêntures de longo prazo entraram no radar dos investidores. Apesar da rentabilidade superior, ressalta-se o risco de crédito dessas aplicações.

Mantendo a consistência dos últimos dez anos, os fundos multimercados foram uma boa opção, com boa relação de risco e retorno. Em 2013, não deve ser diferente. O desafio será a escolha dos melhores gestores.

Um dos piores investimentos dos últimos cinco anos foi a Bolsa. Entretanto, de 2003 a 2007, o investimento em ações ocupou sistematicamente o primeiro lugar no ranking. Não existe consenso entre os analistas se a bolsa está barata. Entretanto, em um cenário de retomada do crescimento, adicionado ao atual rendimento médio por dividendos atraente, não seria surpresa ver o investimento em ações como uma das melhores alternativas para 2013.

Seguindo o famoso provérbio "não há bem que sempre dure, nem mal que nunca acabe", não espere que os vencedores dos últimos dois anos permaneçam sempre como os melhores investimentos. Portanto, a diversificação das aplicações é a melhor indicação sobre como investir em 2013.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.