Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Dívida atingiu 35,1% do PIB em outubro

Depois de engatar uma trajetória de baixa ao longo do ano puxada pelo dólar, a dívida líquida do setor público subiu e atingiu a marca de 35,1% do Produto Interno Bruto (PIB) no mês de outubro. Conforme dados do Banco Central divulgados ontem, o saldo devedor brasileiro chega a R$ 1,65 trilhão.

BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

30 de novembro de 2013 | 02h16

Com isso, o patamar em relação ao crescimento econômico praticamente volta ao nível visto no fechamento do ano passado, quando essa relação ficou em 35,2%. Para se ter uma ideia do distanciamento de marcas menores, dois meses antes, em agosto, a relação dívida/PIB estava em 33,9%.

O chefe do Departamento Econômico do BC, Tulio Maciel, previu ontem que essa relação cairá para 34,1% no fim deste mês. O movimento, de acordo com ele, se deverá, fundamentalmente, à desvalorização cambial vista no mês. Para essa projeção, o BC utilizou uma taxa de dólar de R$ 2,30.

A dívida bruta do governo geral também subiu em outubro, passando de 58,8% do PIB para 59% (R$ 2,8 trilhões). Pelos cálculos de Maciel, a taxa deve permanecer estacionada em novembro.

Ele considerou que o endividamento do País recuou nos últimos anos, mesmo em um contexto de adversidade causada pela crise desde 2008. Em meados daquele ano, a dívida líquida estava em 43% do PIB. "Apesar desse quadro adverso que impactou os resultados fiscais, a evolução da dívida líquida foi benigna." / C.F. e E.C.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.