AFP
AFP

Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Dívida da China é uma grave ameaça para a economia mundial

Esta é a conclusão à qual chegaram diretores de algumas das maiores entidades financeiras do mundo (Citigroup, Barclays, The Carlyle Group, M&G Investiments), durante debate no Fórum Econômico Mundial

O Estado de S.Paulo

23 de janeiro de 2018 | 15h58

DAVOS - A dívida da China é a maior ameaça para a economia mundial, segundo as conclusões de um debate realizado no Fórum Econômico Mundial, em Davos, onde este dado foi comparado a um rinoceronte que todo mundo vê, mas do qual ninguém se aproxima.

+ Meirelles diz em Davos que PIB do País chegará a 3% em 2018

Esta é a conclusão à qual chegaram diretores de algumas das maiores entidades financeiras do mundo (Citigroup, Barclays, The Carlyle Group, M&G Investiments), o vice-presidente do órgão supervisor da bolsa chinesa, Fang Xinghai, e o professor de Harvard Kenneth Rogoff.

Rogoff foi o primeiro a advertir sobre o elevado endividamento da China, que poderia ser o prenúncio de outra crise financeira quando "ainda termina" a última.

Além disso, os bancos centrais "não têm sequer um plano A" para fazer frente a uma nova quebra dos mercados, argumentou o professor americano, enquanto concordava com Anne Richards, diretora-geral da M&G Investiments.

Xinghai admitiu que a dívida do seu país é tão grande quanto um rinoceronte que todo mundo tem na frente, mas que ninguém quer ver.

+ Agências têm vários motivos para elevar o rating do Brasil, diz governo

No entanto, apontou que o endividamento chinês se estabilizou, por isso descartou a possibilidade de surgir algum tipo de "bolha financeira".

O diretor executivo do Barclays, Jes Staley, também não se mostrou preocupado e apontou que os bancos estão agora em uma posição completamente diferente da de 2008, mesmo admitindo que as dívidas, não só a da China, estão muito altas e "vão pôr os mercados a toda prova".

Para o CEO do Citigoup, Michael Corbat, os bancos estão efetivamente melhor do que há dez anos, quando "queriam tudo", e agora apostam em consolidar seu modelo de negócio.

David Rubenstein, co-fundador e diretor executivo da The Carlyle Group, quis alertar sobre o excesso de complacência, já que "quando todo o mundo está tão tranquilo é o momento de se preocupar".

Embora tenha descartado uma nova recessão, Rubenstein advertiu sobre um fenômeno que denominou de "cisnes negros"; isto é, eventos impossíveis de prever, como conflitos territoriais ou epidemias globais.

É mais difícil antecipar quando chegará uma crise do que ficar rico com ela - acrescentou o empresário -, enquanto Xinghai apontou que "quem acredita que vai fazer dinheiro se houver uma crise na China está equivocado".

Na China - explicou -, qualquer "bolha" afetaria toda a economia do país e, portanto, o resto do mundo./EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.