Dívida da Grécia é insustentável apesar de acordo, afirma Moody’s

Agência diz possibilidade de calote grego ainda é alta; país pode precisar que parte da dívida seja reduzida

Clarissa Mangueira, da Agência Estado,

29 de novembro de 2012 | 10h26

ATENAS - A dívida da Grécia continua insustentável apesar do alívio de curto prazo com o acordo alcançado no início da semana pelo seus principais credores, e o país deverá precisar de que parte do principal de sua dívida seja reduzida eventualmente, afirmou a Moody's.

O acordo com os ministros das Finanças da zona do euro e do Fundo Monetário Internacional (FMI), desbloqueando pagamentos de empréstimos de 44 bilhões de euros (US$ 57 bilhões) do pacote de socorro de ajuda à Grécia, "fornecerá alívio para a economia grega que precisa de liquidez mas nós acreditamos que a carga da dívida do país continua insustentável", declararam analistas da Moody's em relatório de crédito regular.

"A probabilidade de um default da dívida grega detida por credores privados é alta, e tendo em vista que cerca de 70% do total do estoque da dívida está na mãos dos credores oficiais, somente uma redução no principal da dívida a pagar resultará em um retrato de sustentabilidade da dívida da Grécia", afirmou a agência de classificação de risco.

O acordo é destinado a reduzir a dívida da Grécia por meio de uma mistura de cortes de taxas de juros sobre os empréstimos para a Grécia, o retorno pelo Banco Central Europeu (BCE) dos lucros obtidos com os bônus gregos que possui para o país e, possivelmente, uma recompra de dívida grega com um desconto elevado no preço.

Mas "há ainda riscos de implementação significantes associados com o programa, particularmente tendo em vista a fragilidade econômica e social da Grécia", afirmou a Moody's. "Não é realista esperar que as metas com as quais a Grécia acabou de concordar serão cumpridas sem qualquer escorregão. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
gréciadívidacalotemoody'sacordo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.