Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Dívida de países ricos infla com a crise

A explosão do déficit fiscal dos 30 países-membros da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) vai impulsionar a dívida pública média a 100% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2010. O cálculo atualizado foi feito a pedido do Grupo Estado e confirma previsões negativas sobre o estado das finanças públicas das nações desenvolvidas. Segundo a revista The Economist, só nos sete países mais industrializados, o G-7, a conta já supera os US$ 35 trilhões.

AE, Agencia Estado

20 de outubro de 2009 | 08h51

O desequilíbrio orçamentário é o efeito mais retardado da crise, e ameaça a estabilidade de grandes potências: Estados Unidos, França, Reino Unido, Itália, Japão e, em menor escala, Canadá. O hiperendividamento - um problema que o Brasil conheceu de perto nos anos 70, 80 e 90 - é consequência direta do aumento brutal do déficit público médio nos últimos dois anos. Em 2007, a cifra atingia 1,5% do PIB dos 30 países; em 2009, chega a 8%. "O déficit explodiu no mundo com a crise, que reduziu a arrecadação e exigiu mais gastos públicos, em especial pela adoção dos pacotes de estímulo à economia", disse Jean-Luc Schneider, diretor adjunto do Departamento de Economia da OCDE. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
crisedívida

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.