Dívida do governo em títulos sobe para R$ 1,239 trilhão

A Dívida Pública Mobiliária Federal interna (DPMFi) subiu 1,71% em maio, atingindo R$ 1,239 trilhão, informou hoje o Tesouro Nacional. Em valores absolutos, ante abril, a alta da dívida foi de R$ 20,9 bilhões. A participação dos títulos prefixados no total da dívida externa subiu de 34% em abril para 34,30% em maio, enquanto a parcela atrelada a índices de preços recuou de 27,63% para 27,37%. A fatia indexada à taxa Selic subiu de 35,34% para 35,42%, enquanto a participação dos papéis cambiais recuou de 0,90% para 0,86%. Os títulos atrelados à Taxa Referencial (TR) recuaram de 2,14% para 2,05% do total da dívida.A apropriação de juros da DPMFi foi de R$ 12,393 bilhões em maio. Além disso, o Tesouro fez uma emissão líquida de R$ 8,501 bilhões no mês passado, o que fez a dívida subir R$ 20,9 bilhões em maio em comparação a abril.A parcela da dívida a vencer em 12 meses subiu de 27,01% em abril para 28,30% em maio. A parcela a vencer de um a dois anos caiu de 25,26% para 23,28%. A dívida com vencimento de dois a três anos, por sua vez, subiu de 13,63% para 15,86%. De três a quatro anos, a participação recuou de 10,69% para 8,66%. De quatro a cinco anos, teve ligeira alta, passando de 5,05% para 5,91%, e acima de cinco anos, teve leve recuo de 18,36% para 17,99%. O prazo médio da dívida mobiliária interna, por sua vez, recuou de 39,26 meses para 38,84 meses. O prazo médio das emissões da dívida interna recuou de 51,16 meses em abril para 49,24 meses em maio.CustoA aceleração da inflação no Brasil medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) e pelo Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M), em maio, elevou o custo médio da DPMFi. Dados do Tesouro mostram que o custo médio da dívida subiu de 12,53% ao ano, em abril, para 14,20% ao ano, em maio. Esse aumento refletiu o IPCA (+0,79%) e o IGP-M de maio (+1,61%).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.