Dívida do setor público corresponde a 54,1% do PIB em agosto

A dívida líquida do setor público - saldo líquido do endividamento do setor público não financeiro e do Banco Central com o sistema financeiro (público e privado), com o setor privado não financeiro e com o resto do mundo - fechou o mês de agosto em 54,1% do Produto Interno Bruto (PIB). O porcentual, de acordo com nota divulgada pelo Banco Central (BC), correspondia a R$ 941,313 bilhões. Este é o nível mais baixo desde abril de 2003, informou o chefe do Departamento Econômico do Banco Central, Altamir Lopes. Para ele, a queda é o dado mais importante das contas públicas divulgadas hoje. "A dívida tem caído de forma sistemática", afirmou Altamir. Ele destacou a queda de 4,6 pontos porcentuais da dívida de dezembro de 2003 para agosto desse ano. Altamir atribuiu esse queda a menor participação da dívida indexada à taxa de câmbio, acomodação da taxa de câmbio e os superávits primários. Em julho, a dívida líquida estava em 55% do PIB. Em valores absolutos, a dívida líquida de julho somava o equivalente a R$ 945,659 bilhões. Pagamento de juros As despesas com o pagamento de juros nominais pelo setor público como um todo em agosto ficaram em R$ 11,582 bilhões. O valor divulgado pelo Banco Central veio acima dos R$ 10,375 bilhões de julho e abaixo dos R$ 13,160 bilhões de agosto do ano passado. No período de janeiro a agosto, os gastos com juros do setor público somam o correspondente a R$ 83,786 bilhões, um valor equivalente a 7,66% do PIB. Em igual período de 2003, estas despesas correspondiam a R$ 102,419 bilhões (10,45% do PIB). No acumulado de 12 meses até agosto, o setor público teve uma despesa com o pagamento de juros de R$ 126,571 bilhões (7,77% do PIB). No mês de julho, os gastos acumulados em 12 meses com juros estavam em R$ 128,149 bilhões. O valor correspondia a 7,95% do PIB.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.