Divulgação
Divulgação

Dívida e escassez de crédito devem destravar fusões e aquisições neste ano

Expectativa de bancos de investimento é que volume de transações atinja níveis recordes em 2016, depois de um ano com poucas operações; negócios devem se concentrar nos setores de óleo e gás, energia elétrica e infraestrutura

Fernanda Guimarães, Cynthia Decloedt, O Estado de S.Paulo

06 de janeiro de 2016 | 05h00

O volume de fusões e aquisições no mercado brasileiro deve atingir níveis recordes em 2016, diante da ausência de crédito e da corrida das empresas para melhorar suas estruturas de capital. Já no fim do ano passado, os bancos de investimento estimavam que R$ 150 bilhões em ativos tinham sido colocados à venda no País, por empresas altamente endividadas ou envolvidas em crises.

No ano passado, segundo levantamento da consultoria PwC, o número de fusões e aquisições fechado no mercado brasileiro foi relativamente baixo, com 675 operações em 11 meses – mesmo nível de 2011. A expectativa agora é de que boa parte das transações que estavam em curso em 2015 sejam destravadas nos próximos meses, na avaliação de analistas e de executivos de bancos.

Entre as companhias que estão em busca de compradores para seus ativos estão BTG Pactual, Petrobrás, CSN, Vale, Eletrobrás, Hypermarcas e Usiminas. Algumas negociações se desenrolaram ao longo de 2015 e o desfecho de muitas operações é esperado para este ano.

Um deles envolve a Log-In, empresa especializada em navegação de cabotagem, que ao fim do terceiro trimestre acumulava uma dívida bruta de R$ 1,8 bilhão. De acordo com comunicado divulgado na segunda-feira, a empresa está em negociação com a mineradora Manabi, que fez uma proposta para assumir o controle da Log-In.

Empresas que já entraram alavancadas na crise viram o custo da dívida dobrar ao longo de 2015 e agora estão em busca de alternativas para conter esse endividamento, explica o diretor executivo adjunto do Bradesco, Renato Ejnisman. “Entre as opções, está a entrada de um investidor, para injetar capital, ou a venda de ativos não estratégicos.”

O responsável pelo Departamento de Investment Banking do Credit Suisse, Fábio Mourão, disse que as operações devem se concentrar na área de energia (óleo e gás), energia elétrica e infraestrutura. Ele destacou que o setor de mineração e aço deve ter a movimentação de fusões e aquisições prejudicada pela queda nos preços das commodities, mas não descartou o fechamento de alguma operação no segmento. “Em 2015, vimos que as operações foram motivadas por consolidação, busca de liquidez e reorganização de dívidas. E, provavelmente, 2016 será dessa forma.”

No fim de 2015, uma série de ativos do BTG passaram a integrar a lista de negócios disponíveis para negociação. Com pressa para fazer caixa e garantir conforto de liquidez, algumas operações devem ter um desfecho já no início do ano.

Ao mesmo tempo em que impulsiona esse tipo de negócio, a crise também traz dificuldades. O preço da empresa, que usa como referência os resultados dos anos anteriores, ficou distorcido. “As referências do desempenho passado das companhias não servem como indicação de preço, porque a grande questão é saber o que vai acontecer no futuro”, diz Joaquim Oliveira, sócio da área de mercado de capitais do escritório Souza Cescon.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.