Dívida líquida do setor público atinge quase R$ 966 bi

O aumento da Selic, a taxa básica de juros da economia, no primeiro semestre teve forte influência sobre o endividamento do País. Só em junho, a dívida líquida do setor público (União, Estados, municípios e empresas estatais) subiu R$ 8,418 bilhões, passando de R$ 957,570 bilhões para R$ 965,988 bilhões. A dívida líquida do setor público é representada pelo saldo líquido do endividamento do setor público não-financeiro e do Banco Central com o sistema financeiro (público e privado), com o setor privado não-financeiro e com o resto do mundo. Com este aumento, a relação da dívida líquida do setor público com o Produto Interno Bruto (PIB) passou de 50,6% para 50,9% do PIB. O chefe do Departamento Econômico do Banco Central, Altamir Lopes, informou que aumentou a exposição da dívida líquida do setor público à variação da Selic. Em junho, 51,54% do total da dívida estava atrelado à taxa, comparativamente a 50,28% no mesmo mês do ano passado. Segundo cálculos do Depec, para cada 1 ponto porcentual de aumento da taxa Selic a dívida líquida em 12 meses aumenta 0,32 ponto porcentual do PIB.Por outro lado, a participação da dívida atrelada à taxa de câmbio caiu, no mesmo período, de 23,66% para 10,83%. Também aumentou a participação da dívida atrelada à taxa prefixadas, que subiu de 13,32% em junho de 2004 para 20,89% em junho desse ano. A dívida atrelada ao IGP-M subiu, no mesmo período comparativo, de 11,80% para 12,41%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.