Dívida líquida do setor público é de 44,7% do novo PIB

A dívida líquida do setor público fechou fevereiro em 44,7% do Produto Interno Bruto (PIB), de acordo com informação divulgada nesta quinta-feira, 29, pelo Departamento Econômico do Banco Central. O porcentual já foi calculado tendo como base o PIB pela nova metodologia do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em valores absolutos, a dívida líquida de fevereiro era de R$ 1,076 trilhão.O BC, ao mesmo tempo, revisou a dívida líquida de janeiro, de 49,7% para 44,6% do PIB, em função da mudança de metodologia feita pelo IBGE. Em valores absolutos, a dívida líquida em janeiro era de R$ 1,067 trilhão. O BC também informou que a dívida bruta do governo geral (governo federal, governos estaduais e municipais e INSS) de fevereiro estava em 66,1% do PIB (cálculo também atualizado pela nova metodologia do PIB). O porcentual correspondia a R$ 1,590 trilhão. A dívida bruta de janeiro foi revisada de 72% para 64,7%. O porcentual equivalia a R$ 1,548 trilhão em janeiro.A dívida bruta do final do ano passado (dezembro) foi reduzida, com o novo cálculo, de 72,9% para 65,5% do PIB. Em valores absolutos, a dívida bruta em dezembro do ano passado era de R$ 1,556 trilhão.O BC também revisou a dívida bruta de dezembro de 2005, que caiu de 74,7% do PIB para 67,4% do PIB. Em valores absolutos, a dívida bruta do final de 2005 era de R$ 1,453 trilhão.2007O chefe do Departamento Econômico do Banco Central, Altamir Lopes, projetou que a dívida líquida do setor público pode fechar 2007 em 44,1% do PIB. Esse porcentual leva em conta o cálculo preliminar considerando o superávit primário de R$ 91 bilhões em 2007 e o PIB de 4,1% (previsto pelo BC no relatório de inflação) e parâmetros de juros e câmbio do mercado. Segundo Altamir, com a revisão, está mantida a tendência de desaceleração da relação dívida líquida e PIB. Ele lembrou que em dezembro de 2006, pelos dados revisados, a dívida fechou em 44,9% do PIB. Em dezembro de 2005, a dívida estava em 46,5%.Matéria alterada às 16h44 para acréscimo de informações

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.