Dívida líquida recua, mas gasto com juros cresce em maio

A dívida líquida do setor público recuou para 34,8% do Produto Interno Bruto (PIB) no mês de maio, de 35,5% em abril. Em dezembro de 2012, estava em 35,2% do PIB. A dívida do Governo Central, Governos Regionais e Empresas Estatais terminou o mês passado em R$ 1,583 trilhão, conforme informou o Banco Central, nesta sexta-feira, 28.

CÉLIA FROUFE E EDUARDO CUCOLO, Agencia Estado

28 de junho de 2013 | 11h15

A dívida bruta do governo geral encerrou maio em R$ 2,710 trilhões, o que representou 59,6% do PIB. Em abril, essa relação estava em 59,4% e, em dezembro do ano passado, em 58,7%. De acordo com o BC, a depreciação de 6,5% do câmbio em maio foi o principal fator para a queda da dívida líquida em maio sobre abril, com impacto de 0,9 ponto porcentual.

Gastos com juros

Os gastos do setor público com juros atingiu R$ 20,200 bilhões no mês de maio. Houve ligeira alta em relação ao gasto de R$ 18,008 bilhões registrado em abril deste ano e também uma alta ante os R$ 18,717 bilhões vistos em maio de 2012. O Governo Central (Tesouro; Banco Central e Previdência) teve, no mês passado, um gasto com juros de R$ 17,222 bilhões. Já os governos regionais registraram uma despesa de R$ 2,658 bilhões com juros, e as empresas estatais gastaram R$ 320 milhões em juros.

No acumulado do ano, o gasto com juros do setor público soma R$ 100,466 bilhões, o equivalente a 5,27% do PIB. No mesmo período de 2012, o gasto com juros foi de R$ 94,908 bilhões ou 5,38% do PIB. Já nos últimos 12 meses encerrados em maio, a despesa chega a R$ 219,421 bilhões, ou 4,83% do PIB.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.