Dívida mobiliária interna fecha 2004 em R$ 811,97 bi

A dívida interna em títulos públicos subiu R$ 80,54 bilhões em 2004, passando de R$ 731,43 bilhões ao final de dezembro de 2003 para R$ 811,97 bilhões no término do mês passado. Somente em dezembro último, o estoque da dívida cresceu 3,44% em relação ao mês de novembro. Esse aumento se deve principalmente à emissão líquida de títulos ocorrida no mês, de R$ 13,7 bilhões, e à apropriação de juros sobre o estoque da dívida.O coordenador da Dívida Pública do Tesouro Nacional, Paulo Valle, considerou "razoável" o aumento de 11% da dívida pública mobiliária federal interna em 2004. Segundo ele, o crescimento foi inferior à variação da Selic, a taxa básica de juros da economia, acumulada no ano passado, que ficou em torno de 15%.Segundo ele, o crescimento da dívida ficou dentro do esperado e abaixo do intervalo da meta prevista no Plano Anual de Financiamento (PAF), de R$ 820 bilhões a R$ 880 bilhões. Ele ponderou que o estoque da dívida só vai diminuir quando as contas do governo federal começaram a apresentar superávit nominal (que corresponde ao resultado das receitas menos as despesas mais o pagamento de juros).PerfilApesar do aumento, o perfil da dívida no ano passado apresentou significativa melhora. O destaque é a redução da dívida cambial (títulos e contratos de swap atrelados ao dólar). A dívida cambial, que em dezembro de 2003 correspondia a 22,06% (R$ 161,39 bilhões) do total do endividamento em títulos, fechou 2004 com parcela de 9,86% (R$ 80,05 bilhões). Esse é o menor patamar da série histórica do Tesouro e do Banco Central, que teve início em 1999.A participação de títulos prefixados do total da dívida também teve uma melhora significativa, passando de 12,51% em dezembro de 2003 para 20,04% no final do ano passado. Esses papéis são considerados melhores para a administração da dívida, pois a taxa é definida na hora do leilão, o que torna a dívida menos suscetível às variações de mercado.Títulos atrelados a índices de preçosOs dados mostram ainda um aumento da participação de títulos atrelados a índices de preços, em 2004 ante 2003. A participação desses títulos subiu de 13,55% do total da dívida em dezembro de 2003 para 14,87% em dezembro de 2004. Esse porcentual ficou dentro da meta estabelecida pelo governo, que era um intervalo entre 15% e 21%.Prazo da dívidaO prazo médio da dívida diminuiu no ano passado, caindo de 31,34 meses para 28,08 meses no período de comparação. Esse prazo ficou fora da meta, que era um intervalo entre 34 e 38 meses.Também teve piora em 2004 o volume de títulos da dívida a vencer em 12 meses, que subiu de 35,34% em dezembro de 2003 (R$ 258,52 bilhões) para 46,19% (R$ 375,04 bilhões) do total da dívida em dezembro de 2004. Também este indicador ficou fora da meta fixada pelo Tesouro para 2004, que era um intervalo entre 30% e 35%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.