Gabriela Biló/Estadão - 02/10/2020
Gabriela Biló/Estadão - 02/10/2020

Dívida pública fecha 2021 em 80,3% do PIB, depois de atingir recorde de 88,6% em 2020

Dívida bruta do governo geral cedeu no ano passado após atingir o recorde anual em 2020

Thaís Barcellos e Célia Froufe, O Estado de S.Paulo

31 de janeiro de 2022 | 10h24

BRASÍLIA - A dívida pública brasileira cedeu em 2021 após atingir o recorde anual no ano anterior, beneficiada pela retomada econômica e pela aceleração da inflação.

Dados do Banco Central mostram que a Dívida Bruta do Governo Geral fechou dezembro aos R$ 6,967 trilhões, o que representa 80,3% do Produto Interno Bruto (PIB), contra 88,6% no mesmo período de 2020. No melhor momento da série, em dezembro de 2011, a dívida bruta chegou a 51,3% do PIB.

A Dívida Bruta do Governo Geral – que abrange o governo federal, os governos estaduais e municipais, excluindo o Banco Central e as empresas estatais – é uma das referências para avaliação, por parte das agências globais de classificação de risco, da capacidade de solvência do País. Na prática, quanto maior a dívida, maior o risco de calote por parte do Brasil.

Para o  economista do banco americano Goldman Sachs Alberto Ramos, o nível elevado da dívida pública deixa a economia brasileira vulnerável a choques. Com a recente fragilização do teto de gastos (a regra que atrela o crescimento das despesas à inflação), o analista vê aumento do risco fiscal de curto e médio prazo do País. "No geral, colocar a dinâmica da dívida em uma tendência de queda sustentável e estrutural e construir freios fiscais continuam sendo os principais desafios macro para Executivo e Legislativo nos próximos anos", afirma.

O BC informou ainda que a Dívida Líquida do Setor Público (DLSP) chegou a 57,3% do PIB em dezembro, de 57% do PIB em novembro. A DLSP atingiu R$ 4,967 trilhões. No fim de 2020, a dívida líquida estava em 62,5% do PIB, o recorde histórico.

A dívida líquida apresenta valores menores que os da dívida bruta porque leva em consideração as reservas internacionais do Brasil.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.