Dívida pública cai 1,29% em outubro e fica abaixo do planejado pelo Tesouro

Estoque chega a R$ 2,155 trilhões; Tesouro não comenta se eleições impactaram nos leilões de títulos da dívida pública

Laís Alegretti e Renata Veríssimo, Agência Estado

25 de novembro de 2014 | 14h39

O estoque da Dívida Pública Federal (DPF) caiu 1,29% em outubro na comparação com setembro. A queda é equivalente a R$ 28,23 bilhões. Assim, em outubro, o estoque Dívida Pública Federal ficou em R$ 2,155 trilhões. Em setembro, o estoque estava em R$ 2,183 trilhões. Os dados foram divulgados nesta terça-feira, 25, pelo Tesouro Nacional.

O valor de estoque registrado em outubro ficou abaixo das bandas estabelecidas pelo Plano Anual de Financiamento (PAF) do Tesouro Nacional. Conforme esse planejamento, a dívida deve fechar 2014 entre R$ 2,170 trilhões e R$ 2,320 trilhões. 

O coordenador geral de Operações da Dívida Pública, Fernando Garrido, evitou avaliar se as eleições impactaram os leilões de títulos da dívida pública. "A avaliação a respeito de impactos ou não da eleição eu prefiro não fazer. As conclusões ficam a cargo dos analistas", disse.

"O que observamos é que os volumes emitidos, com exceção do dia 16/10, não tiveram nenhuma diferença significativa em relação a meses anteriores", afirmou. Garrido argumentou que o volume de emissões em outubro ficou em linha com o de outros meses e que apenas no dia 16/10 o leilão realizado pelo Tesouro teve emissão muito reduzida em função da volatilidade dos mercados internacionais.

A correção de juros no estoque da Dívida Pública Federal foi de R$ 20,45 bilhões no mês passado. A Dívida Pública Federal inclui a dívida interna e externa. A Dívida Pública Mobiliária Federal interna (DPMFi) caiu 1,36% e fechou o mês em R$ 2,05 trilhões. A Dívida Pública Federal externa (DPFe) ficou 0,05% menor, somando R$ 104,5 bilhões em outubro.

Estrangeiros. Os estrangeiros aumentaram mais uma vez a aquisição de títulos do Tesouro Nacional em outubro. A participação dos investidores estrangeiros no estoque da Dívida Pública Mobiliária Federal interna (DPMFi) subiu de 19,32% em setembro para 20,38% em outubro, somando R$ 417,87 bilhões, segundo os dados divulgados há pouco pelo Tesouro Nacional. Em setembro, o estoque estava em R$ 401,69 bilhões.

A categoria das instituições financeiras teve queda na participação do estoque da DPMFi de 28,22% em setembro para 26,34% em outubro. Os Fundos de Investimentos aumentaram a fatia de 20,48% para 20,98%. Já as seguradoras tiveram crescimento na participação de 4,04% para 4,11%.

Inflação e  juros. A parcela de títulos prefixados na Dívida Pública Federal caiu de 41,84% em setembro para 40,16% em outubro e se manteve nas bandas do PAF, de 40% a 44%. Os papéis atrelados à Selic foram os únicos que ficaram fora dos parâmetros do PAF, com 19,04% em outubro, acima da banda superior de 19%. Em setembro, estava em 18,36%.

Os títulos remunerados pela inflação subiram para 36,04% do estoque da Dívida Pública Federal em outubro, ante 35,07% em setembro. Os papéis cambiais elevaram a participação na Dívida Pública Federal de 4,72% em setembro para 4,77% em outubro.

Tudo o que sabemos sobre:
tesouro nacionaldívida pública

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.