Dívida pública em títulos cai, mas está acima de R$ 1 trilhão

A dívida interna federal em títulos caiu R$ 18,44 bilhões, atingindo o valor de R$ 1,002 trilhão, em abril. Segundo os dados divulgados hoje pelo Ministério da Fazenda, a redução foi de 1,8%, em relação a março, retornando ao patamar de R$ 1 trilhão, em virtude do resgate líquido de R$ 26,9 bilhões. O intervalo definido pelo Plano Anual de Financiamento (PAF) para 2006 é de R$ 1,13 trilhão a R$ 1,20 trilhão.Há dois anos não havia redução do estoque da dívida pública mobiliária federal interna. Segundo a série histórica do Tesouro Nacional, a última queda registrada na dívida foi em maio de 2004, quando a dívida totalizou R$ 748,38 bilhões, ante a um resultado de R$ 767,67 bilhões, em abril de 2004.A instabilidade externa já se reflete no perfil da dívida pública. A parcela da dívida atrelada a títulos prefixados (melhores, porque dão previsibilidade sobre o custo da dívida) caiu de 28,75%, em março, para 27,61%, em abril, totalizando R$ 276,89 bilhões. Já os títulos corrigidos pela taxa Selic, os pós-fixados (piores, porque deixam a dívida vulnerável às oscilações das taxas de juros) subiram de 49,55% em março, para 49,98%, em abril. O estoque da dívida corrigido pela Selic corresponde a R$ 501,17 bilhões.Os títulos corrigidos por índice de preço representam 21,94% do estoque da dívida, totalizando R$ 220,04 bilhões. Os títulos atrelados à Taxa Referencial (TR) somam R$ 21,02 bilhões, o equivalente a 2,10% do total da dívida. Além disso, o governo está credor em dólares, no valor de R$ 16,33 bilhões.Prazo da dívidaJá o prazo médio da dívida pública mobiliária federal interna subiu de 29,31 meses em março para 29,64 meses em abril. Nesse total, a parcela de títulos que vão vencer nos próximos 12 meses atingiu em abril 40,3% do total, ante 40,1% em março.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.