Dívida pública em títulos cresce R$ 18 bilhões em um mês

A dívida pública interna em títulos teve um crescimento de R$ 18,69 bilhões, de janeiro para fevereiro. Segundo dados divulgados hoje pelo Tesouro Nacional e o Banco Central, a dívida saltou de R$ 826,70 bilhões para R$ 845,39 bilhões. Esse aumento se deve à emissão de títulos de R$ 9,5 bilhões e ao impacto dos encargos do endividamento público.Mantendo a trajetória de queda iniciada desde 2003, a dívida cambial (atrelada à taxa de câmbio) caiu para 6,02% do total, atingindo, ao final de fevereiro, R$ 50,90 bilhões. Já a participação de títulos prefixados, considerados melhores para a administração da dívida, subiu de R$ 154,67 bilhões para R$ 172,75 bilhões, o correspondente a 20,43% da dívida.A participação de títulos atrelados a taxa Selic passou de um mês para outro de 56% para 56,60% (R$ 478,47 bilhões). A participação de títulos indexados a índices de preços diminuiu em fevereiro, caindo de 14,56% para 14,30% do total.O prazo médio da dívida teve uma ligeira queda, em fevereiro, caindo de 28,50 meses para 28,09 meses. A parcela de títulos com vencimento em 12 meses, chamada de dívida de curto prazo, voltou a cair em fevereiro, atingindo 43,21% do total. Esse é o indicador observado pelas agências de classificação de risco. Quanto menor a dívida de curto prazo, melhor para administração dela.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.