Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Dívida pública federal sobe 0,61% e fecha abril em R$ 3,658 trilhões

Aumento foi causado pela correção de juros no estoque da DPF foi de R$ 29,67 bilhões em abril

Lorenna Rodrigues e Eduardo Rodrigues, O Estado de S.Paulo

30 Maio 2018 | 16h01

O estoque da dívida pública federal (DPF) subiu 0,61% em abril, quando atingiu R$ 3,658 trilhões. Os dados foram divulgados há pouco pelo Tesouro Nacional. Em março, o estoque estava em R$ 3,636 trilhões. A correção de juros no estoque da DPF foi de R$ 29,67 bilhões em abril. As emissões de papéis totalizaram R$ 92,152 bilhões, enquanto os resgates chegaram a R$ 99,188 bilhões, o que resultou em um resgate líquido de R$ 7,04 bilhões. A DPF inclui a dívida interna e externa.

+ PIB sobe 0,4% no 1º trimestre, aponta IBGE

Por meio da dívida pública, o governo pega emprestado dos investidores recursos para honrar compromissos. Em troca, compromete-se a devolver o dinheiro com alguma correção, que pode ser definida com antecedência, no caso dos títulos prefixados, ou seguir a variação da taxa Selic, da inflação ou do câmbio.

+ Contas do governo tem superávit de R$ 2,9 bi em abril, diz BC

A Dívida Pública Mobiliária Federal interna (DPMFi) subiu 0,48% e fechou o mês passado em R$ 3,524 trilhões. Já a Dívida Pública Federal externa (DPFe) ficou 4,02% maior, somando R$ 120,72 bilhões no segundo mês do ano.

+ AGU reitera que greve de petroleiros é 'abusiva' e 'tem cunho ideológico'

Os estrangeiros aumentaram a participação na dívida pública brasileira em abril. A fatia dos investidores não-residentes no Brasil no estoque da Dívida Pública Mobiliária Federal interna (DPMFi) subiu de 11,84% em março para 12,28% no mês passado, somando R$ 432,70 bilhões, segundo os dados divulgados há pouco pelo Tesouro Nacional. Em março, o estoque nas mãos de estrangeiros estava em R$ 415,17 bilhões.

Os fundos de investimento continuaram os maiores detentores de papéis do Tesouro, com a participação passando de 29,21% em março para 29,12% no mês passado. Na sequência, o grupo previdência passou de 22,80% para 23,05% no mês. A parcela das instituições financeiras no estoque da DPMFi teve queda de 22,39% em março para 21,76% em abril. Já as seguradores tiveram crescimento na participação de 3,85% para 3,90%.

Títulos. A parcela de títulos prefixados na Dívida Pública Federal (DPF) caiu de 35,39% em março para 34,44% em abril. Já os papéis atrelados à Selic aumentaram a fatia, de 31,29% para 32,03%.

Os títulos remunerados pela inflação subiram para 29,73% do estoque da DPF em abril, ante 29,64% em março. Os papéis cambiais tiveram a participação aumentada na DPF de 3,68% em março para 3,80% no mês passado.

Todos os papéis estão dentro das metas do Plano Anual de Financiamento (PAF) para este ano. O intervalo do objetivo perseguido pelo Tesouro para os títulos prefixados em 2018 é de 32% a 36%, enquanto os papéis remunerados pela Selic devem ficar entre 31% a 35%. No caso dos que têm índices de preço como referência, a meta também é de 27% a 31% e, no de câmbio, de 3% a 7%.

Mais conteúdo sobre:
Tesouro Nacional dívida pública

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.