Marcello Casal Jr./Agência Brasil
Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Dívida pública fica em 88,1% do PIB em novembro

Resultado ficou abaixo do registrado em outubro, em função da variação cambial, segundo o Banco Central

Lorenna Rodrigues e Eduardo Rodrigues, O Estado de S.Paulo

30 de dezembro de 2020 | 11h58

BRASÍLIA - Na esteira do aumento dos gastos dos governos para fazer frente à pandemia do novo coronavírus, a dívida bruta do governo geral (que abrange o governo federal, os governos estaduais e municipais, excluindo o Banco Central e as empresas estatais) fechou novembro aos R$ 6,558 trilhões, o que representa 88,1% do produto interno bruto (PIB). Em outubro, o Banco Central (BC) informou que o porcentual era de 90,7%. Em dezembro de 2013, melhor momento da série histórica, a dívida bruta chegou a 51,5% do PIB.

De acordo com o chefe do Departamento de Estatísticas do Banco Central, Fernando Rocha, a queda da dívida bruta em novembro, em proporção do PIB, decorreu da apreciação cambial no mês passado.

Com o aumento de despesas públicas em função da pandemia do novo coronavírus, a expectativa é de que a dívida bruta continue a subir nos próximos meses no Brasil. Este é um dos principais fatores de preocupação dos economistas do mercado financeiro.

A dívida bruta do governo geral é uma das referências para avaliação, por parte das agências globais de classificação de risco, da capacidade de solvência do País. Na prática, quanto maior a dívida, maior o risco de calote.

O BC informou ainda que a dívida líquida do setor público (DLSP) passou de 59,9% para 61,4% do PIB em novembro de 2020. A DLSP atingiu R$ 4,568 trilhões. A dívida líquida apresenta valores menores que os da dívida bruta porque leva em consideração as reservas internacionais do Brasil, hoje na casa dos US$ 355,6 bilhões.

Tudo o que sabemos sobre:
dívida pública

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.