Dívida pública interna atinge R$ 920,79 bi em agosto

A dívida pública mobiliária federal interna (dívida em títulos públicos negociados no mercado interno) atingiu em agosto R$ 920,79 bilhões. Em julho, a dívida foi de R$ 915,67 bilhões, 0,6% menor. Do total da dívida de agosto, R$ 219,79 bilhões correspondem a títulos prefixados, o equivalente a 23,87% do total da dívida. No mês de julho essa participação era de 22,37%. Os papéis com rentabilidade determinada pela taxa Selic (juros pós-fixados) somaram, no mês passado, R$ 514,22 bilhões, o que corresponde a 55,85% do total. No mês anterior, houve uma queda nesse tipo de papel, que somava R$ 524,84 bilhões, o que correspondia a 57,32% da dívida. O total de papéis atrelados a índices de preços se manteve praticamente estável, somando R$ 126,23 bilhões, o equivalente a 13,71%. A dívida atrelada à variação cambial registrou uma pequena redução em agosto, passando de R$ 37,99 bilhões para R$ 37,87 bilhões , que corresponde a 4,11% do endividamento total. Os títulos com remuneração determinada pela TR (taxa Referencial) somaram R$ 22,69 bilhões, correspondente a 2,46%. O cálculo da composição da dívida inclui as operações de swap. Prazo da dívida reduz O prazo médio da dívida pública mobiliária federal interna registrou uma pequena redução em agosto, passando de 27,57 meses, em julho, para 27,39 meses. O prazo médio das novas emissões, entretanto, subiu, passando de 25,12 meses, em julho, para 27,92, em agosto. Isso ocorreu em virtude da maior participação de títulos remunerados pela taxa Selic, nas emissões. Os papéis prefixados da dívida tiveram uma pequena redução em seu prazo médio, passando de 9,55 meses, em julho, para 9,19 meses, em agosto. Já os remunerados pela taxa Selic subiram de 18,26 meses para 18,72.

Agencia Estado,

19 Setembro 2005 | 11h36

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.