Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Dívida Pública tem alta de 1,51% em março

Estoque da dívida pública federal (DPF) atingiu R$ 3,636 trilhões, segundo o Tesouro

Eduardo Rodrigues e Fabrício de Castro, O Estado de S.Paulo

27 Abril 2018 | 10h47

O estoque da dívida pública federal (DPF) subiu 1,51% em março, quando atingiu R$ 3,636 trilhões. Os dados foram divulgados pelo Tesouro Nacional. Em fevereiro, o estoque estava em R$ 3,582 trilhões.

+ Investimento público cai para 1,17% do PIB e atinge o menor nível em 50 anos

+ Governo Central tem rombo de R$ 24,8 bilhões em março

A coordenadora de operações da Dívida Pública Federal, Márcia Tapajós, disse que a alta no estoque da dívida de janeiro a março se deveu apenas à apropriação positiva de juros.

"Tivemos resgates líquidos nos primeiros meses do ano e com a emissão líquida de março praticamente zeramos esse saldo. Portanto, a variação na DPF ocorreu pelo impacto de juros", explicou. 

A correção de juros no estoque da DPF foi de R$ 30,23 bilhões em março. Já as emissões de papéis totalizaram R$ 77,64 bilhões, enquanto os resgates chegaram a R$ 53,69 bilhões.

+ Rombo das contas públicas em março é o maior em 21 anos

A DPF inclui a dívida interna e externa. A Dívida Pública Mobiliária Federal interna (DPMFi) subiu 1,47% e fechou o mês passado em R$ 3,507 trilhões. Já a Dívida Pública Federal externa (DPFe) ficou 2,64% maior, somando R$ 128,91 bilhões no terceiro mês do ano.

Márcia destacou o vencimento grande de LFTs em março, no volume de R$ 51,9 bilhões, de um total de R$ 53,69 bilhões em resgates. Segundo ela, por outro lado, houve um grande volume de emissão de papéis prefixados no mês passado, de R$ 45,37 bilhões em um total de R$ 77,64 bilhões emitidos.

Estrangeiros. Os estrangeiros diminuíram a participação no estoque de títulos do Tesouro Nacional em março. A fatia dos investidores não-residentes no Brasil na Dívida Pública Mobiliária Federal interna (DPMFi) caiu de 12,39% em outubro para 11,84% no mês passado, somando R$ 415,17 bilhões, segundo os dados divulgados há pouco pelo Tesouro Nacional. Em fevereiro, o estoque nas mãos de estrangeiros estava em R$ 428,32 bilhões.

Os fundos de investimento continuam sendo os maiores detentores de papéis do Tesouro, com a participação passando de 27,35% em fevereiro para 29,21% no mês passado. O grupo Previdência aparece na sequência, com uma fatia que passou de 24,43% para 22,80%.

A parcela das instituições financeiras no estoque da DPMFi teve elevação de 21,96% em fevereiro para 22,39% em março. Já as seguradoras tiveram recuo na participação de 3,88% para 3,85%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.