Dívida trabalhista da Varig antiga pode ter novo cálculo

O Ministério Público do Rio deve ajuizar na semana que vem um recurso solicitando uma mudança no cálculo de pagamento dos credores trabalhistas da Varig antiga, que permanece em recuperação judicial. Hoje a juíza Márcia Cunha, que acompanha o processo de reestruturação da empresa, aumentou de 15% para 20% a proporção que cada credor tem direito a receber, de um total de R$ 47 milhões obtidos com o resgate antecipado de papéis de dívida (debêntures) realizado pela Gol, controladora da Varig.O procurador do Ministério Público, Leonardo Araujo Marques, prefere que a divisão do dinheiro seja feita pelo total de credores, em torno de 10 mil, o que ele considera um critério mais justo. Pela regra atual, os 20% são proporcionais ao valor total do crédito de cada credor. "Se hipoteticamente um credor tem uma dívida total de R$ 10 mil ele vai receber R$ 2 mil, enquanto o que tem direito a R$ 100 mil vai receber R$ 20 mil", diz Marques. O procurador conta que ainda não tomou ciência da decisão da juíza Márcia, mas estima que isso acontecerá na semana que vem. Ele pretende recorrer no mesmo dia em que for notificado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.