Doha: França e Itália ameaçam bloquear acordo na OMC

Os europeus se aproveitam das divisões nos países emergentes para pressionar por mais concessões. Hoje, França e Itália alertaram que estão "muito preocupados" com o pacote proposto e insinuaram que poderiam bloquear o processo se não obtiverem maiores ganhos na Rodada Doha. "O presidente da França, Nicolas Sarkozy, compartilha a profunda preocupação expressada pelo primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, sobre o texto de compromisso que está sendo discutido em Genebra", informou o gabinete do premiê italiano em um comunicado. O alerta é mais uma pressão da Comissão Européia. Hoje, o comissário de Comércio da UE, Peter Mandelson, passou mais de três horas tentando convencer os 27 membros a aceitar o pacote e recebeu o sinal verde para continuar negociando. Mas, vendo um racha nos emergentes, Bruxelas aproveita para agora pedir mais. A maioria dos governos europeus acatou a proposta, segundo Mandelson. Para ele, há agora como trabalhar para um acordo final baseado nos termos propostos. Mas a presidência da UE, a França, insinuou que ainda bloquearia o acordo se o pacote for mantido como está. Paris quer concessões agora dos países emergentes na questão de serviços, facilitando a entrada de empresas de telecomunicações, energia, bancos e seguros. "Pedimos que Mandelson voltasse com uma oferta melhorada", afirmou a secretária de Comércio da França, Anne-Marie Idrac. Para ela, o acordo não garante acesso suficiente aos mercados dos países emergentes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.