Dólar a R$ 3,55 pode elevar relação dívida/PIB para 62%

O chefe do Departamento Econômico do Banco Central, Altamir Lopes, afirmou hoje que, se o dólar fechar o mês de setembro com a cotação do último dia 20, de R$ 3,55 por dólar, a dívida pública encerraria setembro acima de R$ 810 bilhões, equivalente a 62% do PIB, ultrapassando, portanto, a meta indicativa do acordo do FMI. A taxa de R$ 3,55 equivaleria a uma desvalorização de 17,49% do real. Em agosto, o real se valorizou 11,85% o que fez com que a relação dívida pública/PIB caísse de 61,9% em julho para 58,3% no mês passado. "É claro que se a taxa de câmbio fechar setembro cotada a R$ 3,55 a relação dívida/PIB deve ficar próxima ao patamar de julho", afirmou Altamir Lopes. Se o governo descumprir a meta indicativa de dívida, não haverá conseqüência prática, pois o valor estabelecido no acordo com o FMI não é um critério de desempenho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.