Dólar abre em alta, mas perde fôlego com feriado em SP

Mercados sobem na Europa, após fechamento positivo na Ásia; Bovespa fica fechada nesta sexta-feira

Agência Estado,

25 de janeiro de 2008 | 11h21

O dólar comercial, negociado no mercado interbancário de câmbio, registra alta desde a abertura nesta sexta-feira, 25, mas perde fôlego a cada transação fechada. Segundo operadores, a trajetória é reflexo da falta de liquidez, provocada pelo feriado de São Paulo, que mantém as bolsas fechadas. A perspectiva inicial, com base no comportamento dos mercados externos e a falta de novidades no Brasil, era de que a moeda norte-americana registrasse queda na manhã desta sexta-feira. Por volta das 11 horas, o dólar valia R$ 1,790, com valorização de 0,34%, sobre o fechamento de quinta-feira. A máxima, na abertura, foi de R$ 1,795 (+0,62%).   Veja também: Pacote econômico nos EUA impulsiona bolsas na Ásia       Na Europa, as bolsas subiam nesta manhã, animadas pelo rali dos mercados globais, enquanto buscam os detalhes sobre o pacote de estímulo fiscal dos EUA. "Depois de baixar as emoções, os mercados estão vendo uma combinação positiva de pacote de resgate, bons números do emprego, taxas mais baixas nos EUA e a probabilidade de que muito do aparente medo que começou na segunda-feira era, na verdade, o Société Générale desmontando posições", disse Martin Slaney, chefe de derivativos da corretora GFT Global.   Nesta manhã, o índice Dow Jones Stoxx 600 subia 1,6%. Na quinta, o índice disparou 5,2%, sua maior alta desde 13 de março de 2003. Às 7h30 (de Brasília), os maiores mercados europeus seguiam em alta, mas abaixo das máximas. O índice FTSE-100, de Londres, estava em alta de 0,90%, o CAC-40, de Paris, subia 1,20%, e o DAX-30, de Frankfurt, avançava 1,76%, após ter superado brevemente o patamar de 7.000 pontos. Na quinta, o Dow Jones subiu 0,9%.   O repique do mercado está sendo estimulado pelos detalhes do plano para injetar força à maior economia do mundo. Um esquema de restituição de impostos que colocará entre US$ 300 e US$ 600 nos bolsos dos contribuintes dos EUA foi bem recebido, disse Stephen Pope, chefe de estratégia global da corretora Cantor Fitzgerald, em Londres.   No mercado londrino, os bancos se destacam na alta. Royal Bank of Scotland subia 3,4%, Standard Chartered avançava 3,3% e Barclays subia 2,9%.

Mais conteúdo sobre:
MercadosDólar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.