Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Dólar acompanha exterior e sobe para R$ 2,22

Moeda encerrou dia com alta de 0,41%, em linha com a tendência do mercado global

Denise Abarca, Agência Estado

15 de julho de 2014 | 17h29

O dólar ante o real fechou em alta a sessão desta terça-feira, em linha com a tendência do mercado global de moedas, por sua vez determinada pelo depoimento da presidente do Federal Reserve, Janet Yellen, ao Congresso norte-americano no final da manhã. Segundo operadores, os negócios se desenvolveram em meio a um giro razoável tanto no segmento à vista quanto no futuro. Na leitura dos investidores, Yellen indicou que a taxa dos Fed Funds poderia subir antes do que o mercado espera, ao fazer referências ao comportamento do mercado de trabalho.

Segundo operadores, no final da sessão, o avanço perdeu um pouco do ímpeto, já que alguns players que haviam comprado mais cedo decidiram vender moeda aproveitando as cotações em alta, em movimento de day trade. No balcão, o dólar encerrou com alta de 0,41%, cotado em R$ 2,222. Na máxima, subiu 0,63%, a R$ 2,2270 e, na mínima, ficou estável em R$ 2,2130. Perto das 16h30, o dólar para agosto subia 0,45%, a R$ 2,2315.

A moeda já estava em leve alta pela manhã acompanhando o movimento no exterior, mas acentuou a trajetória ascendente com o depoimento de Yellen. Ela reafirmou que a alteração na política de juro acomodatícia do Fed está ligada principalmente à recuperação do mercado de trabalho. "Se o mercado de trabalho continuar a melhorar mais rapidamente do que o antecipado pelo Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês), resultando em uma convergência mais rápida no sentido de nosso mandato duplo, então o aumento dos Fed funds poderia ocorrer mais rápido do que o esperado", afirmou.

Com isso, as chances de uma elevação das taxas na reunião de junho de 2015 avançaram para 50%, de 44% ontem, segundo a provedora de dados CME Group. Contudo, Yellen disse não haver uma fórmula ou resposta automática para o momento da primeira elevação dos juros, mas apontou que a maioria dos membros do Fomc espera que isso ocorra em 2015 e que os Fed funds terminem o próximo ano próximos de 1%.

Dentro do programa de intervenção diária, o Banco Central vendeu em leilão a oferta de 4.000 contratos de swap cambial para 2/2/2015 e 1º/6/2015, no valor total de US$ 198,5 milhões. Na operação de rolagem, vendeu 7 mil contratos de swap cambial que vencem em 1º de agosto de 2014, com valor total de US$ 346,4 milhões.

Tudo o que sabemos sobre:
dólar

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.