Dólar acompanha humor melhor de bolsas e cai mais de 2%

A divisa norte-americana fechou o dia a R$ 2,275, cotação mínima do dia, em queda de 2,32%

REUTERS

28 de janeiro de 2009 | 17h00

O dólar fechou em queda de mais de 2% frente ao real nesta quarta-feira, aproveitando a onda de otimismo disseminada pelos mercados acionários na expectativa de que os Estados Unidos sejam rápidos no combate à crise de crédito. A divisa norte-americana fechou a R$ 2,275, cotação mínima do dia, em queda de 2,32%.  Veja Também:Desemprego, a terceira fase da crise financeira global De olho nos sintomas da crise econômica Dicionário da crise Lições de 29Como o mundo reage à crise   "A tendência do dólar é, ao longo do tempo, se estabilizar e até apresentar uma leve queda, à medida que a crise for se dissipando", afirmou Marcos Forgione, mencionando a forte ligação do mercado de câmbio doméstico ao cenário externo.  Nesta sessão, as perspectivas otimistas dos investidores em relação às ações de combate à crise pelo novo governo dos EUA contribuíam para a valorização das bolsas de valores norte-americanas. O principal índice da Bovespa seguia a tendência e subia mais de 4%.  Mas Forgione ponderou que, apesar das boas expectativas dos investidores, o cenário permanece de cautela. "O problema é que você tem a questão da volatilidade e a aversão a risco. A coisa pode mudar a qualquer momento."  O Banco Central manteve as atuações no mercado de câmbio. Além de um leilão de venda de dólares no mercado à vista nesta sessão, a autoridade monetária anunciou para quinta-feira três leilões simultâneos de venda com compromisso de recompra.  O BC também anunciou que o fluxo cambial do País está negativo em US$ 2,693 bilhões em janeiro até o dia 23.  O volume negociado nesta quarta-feira apresentou melhora em comparação aos últimos dias. Segundo os dados mais recentes atualizados pela BM&F, o volume no mercado à vista ultrapassou US$ 4 bilhões, o dobro da média diária do mês.

Tudo o que sabemos sobre:
Crise FinanceiraDólarBovespa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.