Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Dólar arrefece alta no final com melhora nos mercados

A volatilidade foi mais uma vez a tônica no mercado de câmbio doméstico nesta quinta-feira, com uma saída de recursos combinada com a indefinição nas principais bolsas de valores corroborando a quarta alta seguida do dólar frente ao real.

JOSÉ DE CASTRO, REUTERS

27 de agosto de 2009 | 17h12

No final da tarde, porém, uma melhora nos mercados de ações permitiu uma diminuição do avanço do dólar.

A moeda norte-americana encerrou com valorização de 0,21 por cento, valendo 1,866 real na venda, após chegar a cair 0,32 por cento na mínima e a ganhar 1,56 por cento na máxima.

Na semana, a divisa acumula apreciação de 1,91 por cento, zerando as perdas em agosto.

"O mercado (de câmbio) está muito cauteloso. Os investidores estão se resguardando para não serem pegos de surpresa por essa nova onda de aversão que estamos tendo", considerou o gerente de câmbio da Treviso Corretora, Reginaldo Galhardo.

A preocupação com a sustentabilidade de uma retomada da economia permaneceu nesta sessão, com investidores receosos de que o otimismo dos últimos meses possa ter chegado ao fim.

Nem mesmo números mostrando que a economia dos Estados Unidos, centro da crise, recuou menos que o esperado no segundo trimestre dissiparam o conservadorismo nos mercados.

No final da tarde, contudo, os principais índices de ações norte-americanos recuperavam-se das perdas ao longo do dia e operavam em alta. No mesmo horário, a bolsa brasileira mostrava estabilidade.

Segundo um operador de uma importante corretora nacional, ao mesmo tempo em que o dólar alcançava o nível máximo da sessão, viu-se um movimento de venda mais forte na bolsa brasileira, em decorrência principalmente de uma saída de investidores estrangeiros do mercado acionário local.

A queda de mais de 20 por cento da moeda norte-americana em 2009 e a alta em torno de 50 por cento no principal índice acionário brasileiro têm base em grande parte pelos ingressos de recursos de estrangeiros.

"Essa correção que a gente está vendo já era esperada. A volatilidade ainda está muito forte", afirmou o gerente de operações da Corretora Confidence, Felipe Pellegrini.

No mercado internacional de moedas, o dólar perdia 0,81 por cento frente a uma cesta com as seis principais divisas globais. A baixa era sustentada pelo avanço do euro e do iene, este último visto como um ativo seguro em momentos de aumento da aversão a risco.

Nesta sessão, o volume negociado no segmento interbancário era de 2,211 bilhões de dólares às 16h35.

(Colaborou Stella Fontes)

Tudo o que sabemos sobre:
DOLARFECHA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.