JF Diorio/ Estadão
JF Diorio/ Estadão

Mercado

d1000 faz IPO, ações caem 12% e investidor é penalizado: o que deu errado?

Dólar fecha a R$ 4,32, novo recorde desde o Plano Real

Fortalecimento da divisa dos Estados Unidos no exterior aconteceu em meio à crescente preocupação dos efeitos da disseminação do coronavírus na atividade econômica da China; Ibovespa fechou em baixa de 1,23%, a 113.770,29 pontos

Altamiro Silva Junior e Luís Eduardo Leal, O Estado de S.Paulo

07 de fevereiro de 2020 | 09h53
Atualizado 07 de fevereiro de 2020 | 19h00

O dólar atingiu o novo recorde do Plano Real e fechou em R$ 4,3209 no mercado à vista, com valorização de 0,83%. A moeda americana acumulou alta de 0,84% de segunda até esta sexta, marcando a sexta semana consecutiva de ganhos.

O fortalecimento da divisa dos Estados Unidos no exterior aconteceu em meio à crescente preocupação dos efeitos da disseminação do coronavírus na atividade econômica da China e, por consequência, do resto do mundo. O banco JPMorgan reduziu a previsão de crescimento para o país asiático de 4,9% para apenas 1% no primeiro trimestre. A S&P Global Ratings cortou a previsão anual para o Produto Interno Bruto (PIB) chinês de 5,7% para 5% em 2020.

Com a economia brasileira tentando acelerar o crescimento, o temor é que esse ambiente adverso comprometa a recuperação.

Além do vírus, o gestor da Western Asset Management Adauto Lima observa que o relatório de emprego americado de janeiro veio forte, com criação de 225 mil vagas em janeiro, ajudando a manter o dólar fortalecido.

O índice DXY, que mede o comportamento do dólar ante uma cesta de divisas fortes, atingiu o maior nível em quatro meses. O euro caiu ao menor nível também em quatro meses e a libra foi negociada no patamar mais baixo em seis semanas. A moeda americana só perdeu valor ante o iene, um típico sinalizador de busca por proteção dos investidores internacionais.

Bolsa

O Ibovespa fechou em baixa de 1,23%, a 113.770,29 pontos, apesar do desempenho positivo das ações de bancos e Petrobrás ON (+0,51%), que têm grande peso no principal índice da B3. O giro financeiro foi de R$ 24,6 bilhões, com o índice oscilando entre mínima de 113.769,14 e máxima de 115.189,97 pontos. No ano, o Ibovespa acumula perda de 1,62%. 

No exterior, as perdas, mais moderadas, estenderam-se da Ásia e Europa aos EUA, com os três índices de Nova York registrando baixa entre 0,5% e 0,9%, aprofundadas à medida que se aproximava o fim da sessão, levando consigo o Ibovespa, com os investidores, aqui e fora, evitando tomar posição antes do fim de semana.

Notícias indicando suspensão de contratos de fornecimento de commodities na China por conta do vírus, em meio à longa interrupção de atividades produtivas na segunda maior economia do mundo, colocaram pressão nesta sexta-feira nas ações da Vale e do setor siderúrgico. Vale ON fechou em baixa de 2,21%, com Gerdau PN em queda de 4,66%, CSN, de 3,78%, e Usiminas, de 4,18%. Destaque negativo também para o setor de papel e celulose, outro muito correlacionado à demanda chinesa, com Klabin em baixa de 2,51% e Suzano ON, de 3,24% no fechamento da sessão. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.