Dólar bateu no fundo do poço e vai subir, diz Goldman Sachs

Segundo o banco, sustentação da moeda norte-americana vem da desaceleração econômica de outros países

Regina Cardeal, da Agência Estado,

14 de agosto de 2008 | 16h37

O dólar já bateu no fundo do poço e sua tendência agora é de alta, afirmam os analistas do banco de investimentos Goldman Sachs, após anunciarem uma mudança em sua última análise. Segundo o Goldman Sachs, "o cenário de fundamentos para o dólar melhorou sensivelmente nas últimas semanas". A sustentação relativa da moeda norte-americana está vindo da rápida desaceleração da economia de fora dos Estados Unidos, especialmente Europa, Reino Unido, boa parte da Escandinávia, Austrália, Nova Zelândia e Canadá.  Veja também:Movimento global de moedas faz dólar ter alta ante o real Além disso, de acordo com o banco, o cenário de crescimento dos EUA se estabilizou de alguma forma, enquanto o baixo valor do dólar ajudou a melhorar sensivelmente a balança comercial norte-americana e a reduzir os desafios de financiamento do déficit em conta corrente. O recuo do preço do petróleo também removeu parte da pressão que havia sobre o dólar, segundo o Goldman Sachs. O índice do dólar da Nybot (New York Board of Trade) subiu quase 5% na semana passada.  O rápido enfraquecimento do crescimento econômico da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) fora os EUA, o claro rompimento de resistências técnicas do dólar em relação a outras moedas e os preços bem mais baixos do petróleo são "sinais poderosos da melhora dos fundamentos do dólar", diz o Goldman Sachs. Até o fim do ano, a estrada pode continuar acidentada, considerando-se os riscos à demanda dos EUA, a volatilidade do preço do petróleo e o potencial desmonte de algumas posições compradas (que apostam na alta do dólar), mas o cenário se tornou muito mais positivo para o dólar, opina o banco.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.