Dólar cai 1,7% e fecha a R$2,106 na 4a queda consecutiva

O dólar fechou em queda pela quarta sessão consecutiva nesta quinta-feira, acompanhando a melhora dos mercados globais e as contínuas atuações do Banco Central no mercado. A moeda norte-americana caiu 1,68 por cento, a 2,106 reais, ampliando a queda acumulada nesta semana para 9,5 por cento. A divisa, no entanto, ainda caminha para fechar o mês de outubro em forte alta --já que no encerramento de setembro era cotada a 1,906 real. "O mercado está um pouco mais sereno, principalmente depois de todo o noticiário de ontem. O humor em geral está melhor", afirmou Luis Piason, gerente de operações de câmbio da corretora Concórdia. Ele ressaltou que a tranquilidade do mercado se refletia também no baixo volume de negócios. No final da tarde, o principal índice da Bovespa avançavam mais de 5 por cento, no terceiro pregão seguido de ganhos. Em Nova York, os principais índices acionários também operavam em terreno positivo. Na véspera, o Federal Reserve anunciou quatro novas linhas de swap de moedas que poderão disponibilizar até 30 bilhões de dólares ao Brasil. Piason destacou ainda que diversas empresas com problemas de posicionamento nos mercados futuros de câmbio estão renegociando os contratos com os bancos, o que alivia uma parte das pressões sobre o câmbio. Nas últimas semanas, diversas empresas divulgaram exposição preocupante nos mercados derivativos, gerando desconfiança por parte dos concessores de empréstimo e empoçando a liquidez. "A intenção do BC é dar tranquilidade, entrando diariamente no mercado", completou Piason. Nesta sessão, o Banco Central realizou um leilão de swap cambial tradicional, em que repassou ao mercado o equivalente a quase 1 bilhão de dólares. Além disso, foram feitos três leilões de venda de dólar com compromisso de recompra, vendendo efetivamente 860 milhões de dólares.

FABIO GEHRKE, REUTERS

30 Outubro 2008 | 17h14

Mais conteúdo sobre:
DOLAR FECHA ATUA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.