Dólar cai ante real com fluxo e calmaria em bolsas

O dólar fechou em queda pelo segundodia consecutivo nesta terça-feira, repercutindo a entrada derecursos no país, a expectativa de uma alta iminente do juro eo bom humor nas bolsas internacionais. A moeda norte-americana terminou o dia a 1,684 real, combaixa de 0,24 por cento. Em abril, o dólar acumula queda de3,94 por cento --só subiu em uma sessão no mês. "Alguns dados nos Estados Unidos surpreenderampositivamente o mercado. Isso ajudou bastante, até porque osinvestidores mostraram apetite", disse Tarcísio Rodrigues,diretor de câmbio do Banco Paulista, em referência àestabilização da indústria após uma retração e à alta tímidados preços no atacado --excluindo alimentos e energia. À tarde, o risco Brasil exibia baixa de 8 pontos-básicos,novamente abaixo de 250 pontos. As bolsas em Nova York e em SãoPaulo operavam em alta. Rodrigues também lembrou que o dólar tem sofrido ainfluência da provável alta do juro básico na quarta-feira. Seconfirmada pelo Banco Central, a elevação da Selic aumentará oespaço para operações de arbitragem, que lucram com a diferençaentre o juro praticado no Brasil e no exterior. "Está todo mundo verificando a (influência da) arbitragempor conta do juro. Hoje a entrada (de dólares) foi um poucomais forte por causa disso também", acrescentou. Mas a queda da moeda norte-americana tem sido limitada pelointeresse de alguns agentes que, com bilhões de dólaresacumulados, não querem ver a moeda perder valor rapidamente. "Continua havendo uma certa 'resistência' por parte dosbancos, que detêm ainda posições compradas (no mercado àvista), no sentido de inibir uma queda mais abrupta do preço damoeda", escreveu Sidnei Nehme, diretor-executivo da NGOCorretora, em relatório. De acordo com o BC, as instituições financeiras carregavamquase 10 bilhões de dólares no mercado à vista no final demarço. Dados da Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), porém,mostram que outros agentes, os investidores estrangeiros, jáconseguiram se desfazer de parte dos dólares comprados nomercado futuro --na véspera, a posição comprada era de poucomais de 2,5 bilhões de dólares. Rodrigues também vê essa resistência, mas ressalva que elanão tem força para enfrentar a tendência de valorização doreal. "Não tem o mesmo poder de fogo do investidor estrangeiroe do investimento direto". Na metade da sessão, o BC comprou dólares no mercado àvista, com taxa de corte de 1,6831 real e até cinco propostasaceitas, segundo operadores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.