Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Dólar cai pela 1ª vez na semana com leilão do BC e alívio lá fora

Cenário:

SILVANA ROCHA, O Estado de S.Paulo

16 de dezembro de 2011 | 03h09

O dólar no mercado doméstico fechou em queda ontem, pela primeira vez na semana e após acumular alta de 3,77% no balcão nas três sessões anteriores. O Banco Central foi determinante para reconduzir a moeda de volta ao nível de R$ 1,86, ainda que a discreta melhora do mercado externo com alguns dados favoráveis dos Estados Unidos e da zona do euro também tenha ajudado. O dólar à vista caiu 0,69%, para 1,8610 no balcão. Na mínima do dia, registrada durante a manhã, a moeda atingiu R$ 1,8540 (-1,07%) , logo depois do anúncio do leilão de linha de dólar com compromisso de recompra, que funciona como um empréstimo em moeda estrangeira. Desde 29 de abril de 2009 o BC não fazia este tipo de leilão. O BC recusou todas as propostas apresentadas, possivelmente porque pediram taxas mais baixas que as de mercado, e a moeda norte-americana desacelerou as perdas na sequência.

O anúncio do leilão também derrubou a taxa do cupom cambial (taxa de juros expressa em dólar) , em meio à expectativa de eventual oferta de liquidez adicional no mercado. Mas com a recusa das propostas dos bancos pelo BC, a taxa do cupom cambial subiu.

O euro, que vacilou momentaneamente no começo da tarde na esteira de comentários do FMI, voltou a superar US$ 1,30, corroborando o tom positivo das bolsas, que subiram pela primeira vez na semana. A boa demanda pelos bônus espanhóis e os indicadores divulgados nos EUA (como os pedidos de auxílio-desemprego e a atividade industrial na região do Fed de Filadélfia), apontando melhora gradativa da economia, ancoraram uma correção de preços no mercado acionário internacional. Mas a volatilidade se mantém, pois não houve uma solução para a crise na zona do euro e a alta ontem, de maneira geral, se distinguiu pela moderação. Em Nova York, o Dow Jones subiu 0,38%, o S&P500 avançou, 032% e o Nasdaq, 0,07% .

A Bovespa inverteu o sentido no final da tarde e passou a trabalhar no vermelho ao sabor do vencimento de opções sobre ações na segunda-feira. O Ibovespa cedeu 0,56%, aos 56.331,15 pontos, com volume negociado de R$ 5,7 bilhões.

Os juros futuros subiram levemente sustentados pelo alívio externo e por um movimento de ajuste de carteiras, com os investidores já se preparando para a virada do ano,

Com isso, a forte desaceleração do IGP-10 em dezembro para 0,19%, ante 0,44% em novembro, ficou em segundo plano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.