Dólar cai pelo 3º dia seguido e Bolsa fecha em alta de 1,87%

O dólar caiu pelo terceiro dia seguido nesta quinta-feira, com a Continuidade do fluxo positivo em mais um dia de recuperação dos mercados globais após o solavanco da semana passada. A moeda norte-americana fechou em queda de 0,28%, vendida a R$ 2,1070. É o menor valor desde 26 de fevereiro, véspera do dia em que o tombo de quase 9% na Bolsa de Xangai assustou investidores que, também preocupados com o crescimento econômico dos Estados Unidos, dispararam uma série de ajustes ao redor do mundo. "A entrada de recursos continua grande, não cessou por causa da crise da China", explicou Daniel Szikszay, gerente de câmbio do banco Schahin. Ele disse que se houver um "amanhecer tranqüilo", em referência aos mercados globais, "o dólar vem mesmo para baixo".O mercado brasileiro iniciou o dia refletindo o avanço nas ações asiáticas e européias, que repetiram o bom desempenho da véspera. O bom humor repercutiu em Wall Street e na Bolsa de Valores de São Paulo, que sustentou durante o dia alta de mais de 1,5% e fechou em alta de 1,87%. Bolsas no mundoEm Nova York, as bolsas também avançaram nesta quinta-feira. A alta nas ações de bancos de investimento e fortes lucros de varejistas norte-americanos acalmaram as preocupações sobre a saúde da economia. O índice Dow Jones, referência da bolsa de Nova York, avançou 0,56%. A Nasdaq, bolsa que negocia ações do setor de tecnologia e internet, subiu 0,43%.O dia também foi de alta nas bolsas européias, pelo 3º dia seguido. O mercado não reagiu ao esperado aumento de 0,25 ponto percentual do juro pelo Banco Central Europeu (BCE), para 3,75%. Em Londres, a alta foi de 1,16%. Em Frankfurt, as ações subiram 1,44%. Em Paris, a alta foi de 1,27%. Em Milão, o ganho chegou a 1,30%. Em Madri e Lisboa, as bolsas subiram 2,02% e 0,93%, respectivamente. As bolsas de valores da Ásia também fecharam em alta. O iene mais fraco puxou para cima as ações de algumas empresas exportadoras japonesas, como a fabricante de componentes eletrônicos Kyocera, enquanto fabricantes regionais de aço fecharam em alta com expectativas de continuação da demanda em países em desenvolvimento. A bolsa de Tóquio encerrou em alta de 1,9%, o maior ganho percentual diário desde outubro, para acima de 17 mil pontos pela primeira vez nesta semana. Já a bolsa da Coréia do Sul encerrou valorizada em 0,9% e em Taiwan a alta foi de 1,2%. Em Cingapura, a bolsa fechou com ganho de 2,07% e em Hong Kong a valorização foi de 1,36%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.