Dólar cai pelo 3o dia em sessão com pouca liquidez

A entrada de moeda no país e acalmaria nos mercados internacionais permitiram que o dólarcaísse pela terceira sessão seguida nesta segunda-feira, em umasessão com volume relativamente fraco à espera de maisindicadores no decorrer da semana. A moeda recuou 0,74 por cento, para 1,735 real. É a menorcotação de fechamento desde 14 de novembro. Em janeiro, o dólarjá acumula desvalorização de 2,36 por cento. "O mercado estava com pouca liquidez hoje", disse TarcísioRodrigues, diretor de câmbio do Banco Paulista. "Teve algumasexportações, alguns investimentos que acabaram afetando (a taxade câmbio). Eram valores (relativamente) pequenos, mas acabaraminfluenciando com o volume fraco." A falta de vigor no mercado era explicada pela ausência deindicadores de peso nos Estados Unidos. O mercado aguarda adivulgação, nos próximos dias, de relatórios de inflação e debalanços corporativos --especialmente de bancos-- para avaliara extensão da crise e procurar antecipar a postura do FederalReserve nas próximas reuniões de definição dos juros. Nesse ambiente de cautela, a alta das bolsas em Nova Yorktambém favoreceu a queda do dólar no Brasil. O bom humor emWall Street era causado pelo resultado preliminar maior do queo esperado da IBM, gigante do setor de tecnologia, no quartotrimestre. O mercado cambial brasileiro também seguiu o comportamentode outras moedas perante o dólar. Caso se confirme um novocorte dos juros nos Estados Unidos no final do mês, osinvestimentos em títulos norte-americanos renderão menos,atraindo capital para ativos de outros países e desvalorizandoo dólar. A atuação do Banco Central no mercado à vista não evitou aqueda do dólar. A autoridade monetária definiu taxa de corte a1,7402 real no leilão de compra realizado no final da manhã,com uma proposta aceita, segundo operadores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.