Dólar cai pelo quinto dia e encosta em R$1,70

Moeda americana fechou em R$ 1,702. durante pregão, cotação chegou em R$ 1,6988

Reuters,

09 de novembro de 2009 | 17h35

O dólar caiu pela quinta sessão consecutiva nesta segunda-feira, 9, encostando no nível psicológico de R$ 1,700, com um cenário de maior apetite por risco no exterior. A moeda norte-americana terminou a R$ 1,702, menor patamar desde 15 de outubro, em baixa de 0,99%. Em novembro, a queda acumulada já alcança 3,08%. Embora o dólar tenha encerrado o dia acima de R$ 1,700, esse nível chegou a ser rompido na roda de dólar à vista da Bovespa. Na mínima, o dólar chegou a ser negociado a R$ 1,6988.

 

"Enquanto o mercado continuar positivo lá fora, aqui a tendência (do dólar) é de queda", disse o gerente de câmbio de um banco nacional, que preferiu não ser identificado.

 

Aplicações consideradas de maior risco se valorizavam em todo o mundo nesta sessão, depois que a reunião do G20 terminou no final de semana sem sinais de que os estímulos contra a crise serão interrompidos. A melhora da perspectiva da China pela agência de classificação de risco Moody's também favoreceu o otimismo em relação aos países emergentes.

 

Às 16h35, a Bovespa subia mais de 2%, as commodities avançavam 1,6% e a cesta do dólar em relação às principais moedas caía quase 1%. Após cinco dias seguidos de baixa, porém, há pouco combustível para que o dólar rompa definitivamente o suporte de R$ 1,70, segundo alguns analistas. Para Francisco Carvalho, gerente de câmbio da corretora BGC Liquidez, até o volume do mercado diminui com a taxa a esses níveis. "Já caiu muito. Agora, para vender, fica difícil", disse.

 

Há também expectativa no mercado com possíveis medidas adicionais que o governo poderia tomar para tentar frear a valorização do real.

 

Em outubro, pouco após o dólar romper brevemente o piso de R$ 1,70 pela primeira vez em mais de um ano, o governo anunciou a cobrança de IOF sobre a entrada de capital estrangeiro para ações e renda fixa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.