Dólar cede a R$1,570 após sessão equilibrada

O dólar fechou em baixa nestaterça-feira, após passar o dia com poucas oscilações em meio aootimismo das bolsas internacionais e à valorização da moedanorte-americana no exterior. O dólar caiu 0,32 por cento, para 1,570 real. A queda do dólar só foi definida nos últimos dez minutos denegócios. Segundo Jorge Knauer, gerente de câmbio do BancoProsper, no Rio de Janeiro, o equilíbrio da moeda durante o diafoi marcado pela atuação de forças opostas no mercado. De um lado, o otimismo com a alta das bolsas de valores noBrasil e em Nova York. De outro, o avanço do dólar perante oeuro e o iene após o aumento da confiança dos consumidores nosEstados Unidos e a queda de mais de 2 dólares do petróleo. "Essas forças são antagônicas em matéria de direção para ocâmbio... Foi esse equilíbrio de forças que agiu no mercado",disse o gerente. O dólar só ganhou fôlego para recuar após o leilão decompra de dólares do Banco Central, no final do pregão. Foramaceitas duas das propostas divulgadas, segundo um operador, comtaxa de corte de 1,5717 real. Os próximos dias, no entanto, podem ver mais volatilidadecom o início da disputa na formação da última Ptax do mês. Abriga no mercado futuro envolve a definição da taxa usada comoreferência na liquidação de derivativos em vencimento. "Acho que começa a partir de amanhã. E eu não arriscarianenhum tipo de opinião sobre para onde será empurrada essa taxade câmbio. É muito difícil prever isso", disse Knauer. "A gente tem, de uma maneira geral, posições vendidas emgrandes instituições financeiras. Mas isso não garante que ataxa virá para baixo", completou. A posição vendida emderivativo cambial equivale a uma aposta na queda do dólar. Essas posições, no entanto, têm sido uma das principaisresponsáveis pela queda do dólar mesmo com a saída de mais de 2bilhões de dólares do país em julho. Os estrangeiros, porexemplo, ostentam cerca de 7 bilhões de dólares em posiçõesvendidas na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) --boa partedelas associada a operações de arbitragem com juro. "Este pode ter sido um dos fatores que explicam de formamais objetiva o fato de num ambiente de fluxo negativo... opreço da moeda americana ter sido depreciado", disse SidneiNehme, diretor-executivo da NGO Corretora. (Edição de Vanessa Stelzer)

SILVIO CASCIONE, REUTERS

29 de julho de 2008 | 16h12

Mais conteúdo sobre:
DOLARFECHA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.