Dólar começa o dia em alta e Bolsa estável

Na véspera do feriado de carnaval, os mercados financeiros no Brasil permanecem atentos à situação argentina e ao comportamento da inflação no Brasil. Além disso, a desconfiança dos investidores norte-americanos em relação à veracidade das informações contábeis das empresas do país não permite que as Bolsas em Nova York se recuperem, apesar dos primeiros sinais de reaquecimento da economia dos Estados Unidos. Com os negócios paralisados no Brasil até quarta-feira, o investidor deve adotar uma postura de cautela ainda maior nesta sexta-feira. O dólar comercial iniciou o dia cotado a R$ 2,4720 na ponta de venda dos negócios e às 11h30 era vendido a R$ 2,4670, com alta de 0,16% em relação aos últimos negócios de ontem. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) está em queda de 0,06%. No mercado de juros, os contratos de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - pagam juros de 19,12% ao ano - estáveis em relação aos negócios de ontem.No início dia, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que apontou uma alta de 0,52% em janeiro. O resultado é inferior ao apurado em dezembro, alta de 0,65%, mas elevado se comparado à meta de inflação para este ano - de 3,5% ao ano, com possibilidade de alta ou baixa de dois pontos porcentuais.O comportamento da inflação tem sido um dos pontos mais importantes para o rumo dos negócios no mercado financeiro. Isso porque, apenas com a queda dos índices de inflação, as taxas de juros voltarão a cair. Para uma recuperação dos negócios na Bolsa, por exemplo, os analistas acreditam que apenas com este cenário de queda das taxas de juros e retomada da atividade econômica as ações voltarão a subir.O Comitê de Política Monetária (Copom) reúne-se nos dias 19 e 20 de janeiro para a reavaliação da Selic, a taxa básica de juros da economia, que está em 19% ao ano. A maioria dos analistas acredita em manutenção dos juros neste patamar. Mas alguns já cogitam a possibilidade de a Selic ser reduzida, devido às primeiras prévias de inflação de fevereiro, que indicam uma queda forte dos preços. Mas, mesmo estes analistas mais otimistas, dizem que as chances de que isso aconteça são reduzidas.Argentina reabre mercado cambial na segunda-feiraNa Argentina, a situação continua muito difícil. Segundo apurou a correspondente Marina Guimarães, o ministro de Economia, Jorge Remes Lenicov, fará sua primeira viagem à Washington na próxima semana. Lenicov vai tentar dar início ao acordo para a liberação de novos recursos. O fato é que o ministro já esperava um apoio efetivo do Fundo Monetário Internacional (FMI), assim que a liberação do câmbio foi anunciada, o que não aconteceu. Com isso, o mais provável é que os negócios na Argentina sejam retomados na segunda-feira, após uma semana de feriado bancário e cambial, sem o anúncio oficial de novos recursos do FMI à Argentina.Veja mais informações sobre a Argentina no link abaixo e não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.