JF Diorio/Estadão
JF Diorio/Estadão

Medo de recessão global faz bolsas terem dia de pânico

Nasdaq e NYSE caíram mais de 3%, Frankfurt perdeu 2,19%, Paris 2,08% e Londres,1,42%. O Índice Bovespa também foi derrubado por aversão ao risco no mercado internacional e fechou em queda de 2,94%

Altamiro Silva Júnior, Bruno Caniato, Monique Heemann e Paula Dias, O Estado de S.Paulo

14 de agosto de 2019 | 11h01
Atualizado 15 de agosto de 2019 | 08h09

Indicadores de desaceleração econômica divulgados ontem na China e na Alemanha desencadearam pânico no mercado financeiro em relação à possibilidade de uma recessão global estar se aproximando. Em Nova York, as Bolsas recuaram na faixa de 3%, enquanto as da Europa perderam 2%. No Brasil, o Ibovespa (principal índice da Bolsa) caiu 2,94%, para 100,2 mil pontos. O dólar subiu 1,79% – maior alta desde 27 de março – e fechou em R$ 4,04.

O derretimento dos ativos começou na Europa, após a Alemanha, maior economia do continente, divulgar que seu Produto Interno Bruto (PIB) recuou 0,1% no segundo trimestre. Horas antes, a China havia informado que as vendas no varejo avançaram 7,6% em julho, na comparação com o mesmo mês do ano passado, e que a produção industrial subiu 4,8% – a menor alta em 17 anos. Ambos os resultados ficaram abaixo do esperado por analistas.   

Diante do cenário frustrante, o mercado de títulos públicos americanos acendeu a luz amarela. Os juros pagos aos títulos com vencimento daqui a dez anos caíram abaixo dos rendimentos dos papéis que vencem em dois anos. Conhecido como “inversão de curva”, o fenômeno é visto como um sinal de que os investidores projetam crescimento econômico fraco no futuro e inflação baixa. E serviu de prenúncio a todas as recessões econômicas dos Estados Unidos desde 1950. 

As curvas dos títulos de três meses e dez anos já estão invertidas desde 23 de maio, mas ontem alcançaram a diferença mais profunda desde 2007. No caso das curvas de títulos de dois e dez anos – a mais observada pelo mercado –, a inversão não ocorria desde 2007. 

O resultado desse movimento foi a queda de 2,19% na Bolsa de Frankfurt, de 2,08% em Paris e de 1,42% em Londres. Nos EUA, o impacto foi ainda maior. O índice Dow Jones recuou 3,05%, enquanto Nasdaq e S&P 500 caíram 3,02% e 2,93%.

A inversão da curva de juros também vem sendo observada no Reino Unido. Analistas pontuam que a inversão, embora não seja garantia de recessão no futuro próximo, é um agravante no cenário econômico mundial.

“Seria fácil ignorar o sinal da curva de juros se a economia global estivesse indo bem, mas este não é o caso”, avaliou a diretora executiva de câmbio do BK, Kathy Lien. Além da fraqueza do crescimento mundial, afirmou Kathy, outros fatores como a guerra comercial entre EUA e China, a saída do Reino Unido da União Europeia (o Brexit) e as crises na Itália e em Hong Kong podem contribuir para uma recessão. 

Em meio à crescente busca das empresas brasileiras por dólares, o Banco Central decidiu que ofertará lotes diários da moeda americana. Esse tipo de operação não ocorria desde fevereiro de 2009.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.