JF Diorio/Estadão
JF Diorio/Estadão

coluna

Fernanda Camargo: O insustentável custo de investir desconhecendo fatores ambientais

Medo de recessão global faz bolsas terem dia de pânico

Nasdaq e NYSE caíram mais de 3%, Frankfurt perdeu 2,19%, Paris 2,08% e Londres,1,42%. O Índice Bovespa também foi derrubado por aversão ao risco no mercado internacional e fechou em queda de 2,94%

Altamiro Silva Júnior, Bruno Caniato, Monique Heemann e Paula Dias, O Estado de S.Paulo

14 de agosto de 2019 | 11h01
Atualizado 15 de agosto de 2019 | 08h09

Indicadores de desaceleração econômica divulgados ontem na China e na Alemanha desencadearam pânico no mercado financeiro em relação à possibilidade de uma recessão global estar se aproximando. Em Nova York, as Bolsas recuaram na faixa de 3%, enquanto as da Europa perderam 2%. No Brasil, o Ibovespa (principal índice da Bolsa) caiu 2,94%, para 100,2 mil pontos. O dólar subiu 1,79% – maior alta desde 27 de março – e fechou em R$ 4,04.

O derretimento dos ativos começou na Europa, após a Alemanha, maior economia do continente, divulgar que seu Produto Interno Bruto (PIB) recuou 0,1% no segundo trimestre. Horas antes, a China havia informado que as vendas no varejo avançaram 7,6% em julho, na comparação com o mesmo mês do ano passado, e que a produção industrial subiu 4,8% – a menor alta em 17 anos. Ambos os resultados ficaram abaixo do esperado por analistas.   

Diante do cenário frustrante, o mercado de títulos públicos americanos acendeu a luz amarela. Os juros pagos aos títulos com vencimento daqui a dez anos caíram abaixo dos rendimentos dos papéis que vencem em dois anos. Conhecido como “inversão de curva”, o fenômeno é visto como um sinal de que os investidores projetam crescimento econômico fraco no futuro e inflação baixa. E serviu de prenúncio a todas as recessões econômicas dos Estados Unidos desde 1950. 

As curvas dos títulos de três meses e dez anos já estão invertidas desde 23 de maio, mas ontem alcançaram a diferença mais profunda desde 2007. No caso das curvas de títulos de dois e dez anos – a mais observada pelo mercado –, a inversão não ocorria desde 2007. 

O resultado desse movimento foi a queda de 2,19% na Bolsa de Frankfurt, de 2,08% em Paris e de 1,42% em Londres. Nos EUA, o impacto foi ainda maior. O índice Dow Jones recuou 3,05%, enquanto Nasdaq e S&P 500 caíram 3,02% e 2,93%.

A inversão da curva de juros também vem sendo observada no Reino Unido. Analistas pontuam que a inversão, embora não seja garantia de recessão no futuro próximo, é um agravante no cenário econômico mundial.

“Seria fácil ignorar o sinal da curva de juros se a economia global estivesse indo bem, mas este não é o caso”, avaliou a diretora executiva de câmbio do BK, Kathy Lien. Além da fraqueza do crescimento mundial, afirmou Kathy, outros fatores como a guerra comercial entre EUA e China, a saída do Reino Unido da União Europeia (o Brexit) e as crises na Itália e em Hong Kong podem contribuir para uma recessão. 

Em meio à crescente busca das empresas brasileiras por dólares, o Banco Central decidiu que ofertará lotes diários da moeda americana. Esse tipo de operação não ocorria desde fevereiro de 2009.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.