carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Dólar comercial abre em alta de 0,12%, a R$ 1,692

Nesta última semana do ano, a aversão ao risco deve prosseguir e a desaceleração no ritmo dos negócios é perceptível, segundo operadores

MÁRCIO RODRIGUES, Agencia Estado

27 de dezembro de 2010 | 10h12

O dólar comercial abriu o dia em alta de 0,12%, negociado a R$ 1,692 no mercado interbancário de câmbio. No pregão sexta-feira, a moeda americana recuou 0,24% e foi cotada a $ 1,69 no fechamento. Na Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F), o dólar com liquidação à vista ainda não havia registrado negócios às 10h10 (horário de Brasília).

Nesta última semana do ano, a aversão ao risco deve prosseguir e a desaceleração no ritmo dos negócios é perceptível, segundo operadores. Por isso, a opção do mercado de moedas é a cautela, com a maioria das divisas ganhando valor ante o dólar, mas com variação próxima de zero. Esse cenário de oscilação pequena e poucos negócios no mercado de câmbio deve perdurar não apenas hoje, mas ao longo desta semana espremida entre o Natal e o ano novo.

Segundo um operador, o fato mais importante vem da China. Os mercados devem repercutir a decisão do país de aumentar suas taxas de juros em 0,25 ponto porcentual em pleno Natal, em mais uma ação para conter a crescente inflação e controlar os empréstimos bancários. Em novembro, a inflação na China atingiu 5,1%, o maior nível em 28 meses.

A elevação dos juros ocorre a despeito dos seis aumentos do compulsório bancário neste ano e mesmo com a apreensão sobre a entrada de recursos de investidores que buscam rendimentos mais vantajosos que as praticadas nos mercados norte-americano, japonês e europeu. As taxas para concessão de empréstimo de 5,81% e para depósito de 2,75% entraram em vigor ontem.

Nos Estados Unidos, o Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) regional de Dallas divulga, às 13h30 (horário de Brasília), seu índice de atividade de negócios em dezembro. Sem indicadores de impacto na Europa, os investidores continuam de olho na situação fiscal dos países da região.

Tudo o que sabemos sobre:
dólarcâmbiocomercialBM&F

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.