Dólar comercial abre em baixa, cotado a R$ 1,9890

O mercado entendeu os esclarecimentos feitos ontem pelo BC e o Tesouro, sobre as compras de dólar deste ano, como um recado de que as cotações da moeda norte-americana estavam muito altas. Com isso, as instituições pararam de estocar dólar e a moeda desvalorizou-se, fechando a R$ 1,9910 ontem. Para hoje, os analistas esperam uma continuidade da trajetória. Eles ressaltam que o fluxo terá muita importância na tendência e que surpresas podem ocorrer por conta disso. Mas, se as expectativas se concretizarem, o saldo entre entradas e saídas deve favorecer essa inversão de trajetória das cotações, acentuando ainda mais a possibilidade de desvalorização do dólar. Isso porque, nas mesas de operações, há informações de que o mercado internacional está aberto a papel brasileiro e várias empresas estão prontas, ou se preparando para captar no exterior no curto prazo. É bom ressaltar que um fator pode alterar o impacto que o cenário criado entre ontem e hoje deve ter no mercado de câmbio. É o leilão de 2,470 milhões de NBC-E. Embora o volume de papel agrade o mercado, o prazo dos títulos, que é de cinco anos, foi considerado extenso. Ou seja, se de um lado o volume de papel contribui para queda de cotações, de outro, o prazo provoca o pedido de prêmio por parte dos investidores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.