Dólar comercial em leve queda; mercado está cauteloso

O dólar abriu em queda de 0,17% em relação ao fechamento de ontem, cotado a R$ 2,90. Àsa 10h41, caía 0,10%, cotado a R$ 2,902. O mercado de câmbio está, aparentemente, apático em relação aos acontecimentos do dia-a-dia e oscila principalmente ao sabor do fluxo e da conveniência do giro diário das tesourarias. Isso porque não há demanda por dólar para proteção (hedge) e as maiores atenções dos investidores dirigem-se a outros mercados. Mas a aparente apatia é, na verdade, um comportamento de cautela e os analistas afirmam que as reações mornas mostradas pelas cotações aos eventos diários não significam que os players de câmbio deixaram de acompanhar o noticiário. Eles alertam, inclusive, que a tranqüilidade atual pode se alterar a qualquer momento. Os assuntos mais monitorados são o comportamento do mercado externo em torno dos novos atentados terroristas e do desempenho da economia americana e o desenrolar do quadro político em Brasília. No ambiente externo, o que interessa aos investidores em dólar é saber em quê os últimos acontecimentos na Espanha e na economia dos Estados Unidos resultarão em termos de fluxo de recursos para emergentes. Enquanto nada muda na disposição dos investidores internacionais em direcionar investimentos para os emergentes, nada se altera na cotação do dólar no Brasil. E, no momento, o cenário internacional se por um lado não está favorecendo as novas captações (como esperavam alguns), de outro, também não está provocando fuga de recursos. Isso explica as oscilações pequenas com que o dólar está respondendo aos fatos internacionais. Já com relação a Brasília, o mercado não está gostando dos ataques dos aliados à equipe econômica. Mas, por enquanto, confia na palavra do presidente Lula que continua declarando sua plena confiança em Palocci, Meirelles e nas suas políticas. Assim, também nesse caso o dólar responde com variações pequenas a cada novo fato noticiado. Veja a cotação do dólar.

Agencia Estado,

16 Março 2004 | 10h43

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.