Dólar derrete 0,45%, cotado a R$ 1,982

O dólar comercial derreteu hoje, para encerrar cotado na venda a R$ 1,982, queda de 0,45% sobre o fechamento de ontem. A moeda acentuou à tarde o movimento de queda iniciada ontem por causa da boa aceitação pelo mercado das 2,470 milhões de NBC-E, com prazo aproximado de cinco anos (vencimento em 17/11/2005), leiloadas pelo Banco Central. Como o leilão desses papéis cambiais contou com a participação de bancos estrangeiros em busca de hedge, o BC pôde pagar taxa de 10,87% ao ano, mais correção cambial - abaixo do consenso de mercado entre 10,95% e 11,05% ao ano. O sucesso do leilão estimulou tesourarias de bancos a vender dólar. As cotações aceleraram a queda no meio da tarde, após o anúncio da antecipação do dia 20 para a próxima terça-feira, dia 13, da licitação para a venda das três licenças da Banda D, com preço mínimo total de R$ 2,190 bi. A expectativa de eventual ingresso de recursos no País, caso alguma empresa estrangeira compre essas licenças, fez as tesourarias aumentarem as ordens de venda e realizarem o lucro contabilizado nos primeiros dias deste mês. Além desses recursos, os investidores contam também com fluxo positivo originário de captações externas já fechadas ou que estão sendo programadas por empresas e bancos. Hoje, por exemplo, o Bradesco fechou uma emissão de US$ 100 mi em bônus no mercado internacional, com prazo de um ano e cupom (juro nominal) na casa de 6,70% ao ano. O mercado espera o ingresso desses recursos para próxima semana. Os analistas ressaltaram hoje a importância de o BC ter corrigido ontem o erro cometido no início do ano, ao anunciar compras pelo Tesouro no "pronto" de até US$ 3 bi. Ontem, o BC e o Tesouro anunciaram a revisão desse volume de compras para até US$ 1,2 bi, dos quais US$ 260 mi já foram adquiridos em janeiro. Como o lote mensal de compras pelo Tesouro será limitado a US$ 84 mi, o mercado acalmou-se e prosseguiu hoje o movimento de venda iniciado ontem e que derrubou o preço do patamar acima de R$ 2,00, registrado entre segunda e quarta-feira desta semana e também pela primeira vez desde fevereiro de 1999. A grande expectativa agora gira em torno da licitação da Banda D, na próxima terça-feira; do resultado da reunião do Copom; da eleição na Câmara e Senado na próxima quarta, dia 14; e ainda do outro leilão do BC para venda de 2,470 milhões de NBC-E, de prazo aproximado de seis anos (vencimento em 16/11/2006), marcado para a próxima sexta-feira, dia 16/2. Hoje, o comercial oscilou 0,66%, entre a mínima de R$ 1,981 (-0,50%) e a máxima de R$ 1,994 (+0,15%). Neste mês, até o momento, o comercial acumula ganho de 0,46% frente ao real.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.