Dólar dispara para R$ 2,54 com Argentina e Copom

Os mercados tiveram hoje um dia muito tenso, com fortes oscilações e muito pessimismo. Após muitas oscilações, o saldo foi queda na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), e fortes altas no dólar e nos juros. Pela manhã, a ata da reunião realizada no dia 21 de novembro do Comitê de Política Monetária (Copom), foi um balde de água fria no otimismo do mercado, e, à tarde, o agravamento da crise argentina piorou a situação.A ata do Copom revelou que os preços controlados, especialmente as tarifas de energia, sofrerão forte aumento em 2002, pressionando a inflação. Com isso, a queda dos juros e o crescimento econômico terão de ser contidos. O mercado, que esperava cortes na Selic, a taxa básica referencial da economia, já nos próximos meses, entendeu o recado. Mesmo com os bons números das contas públicas divulgados hoje e das contas externas, não há espaço para euforia por causa do controle da inflação.Por outro lado, a situação da Argentina voltou a piorar. Ainda há dúvidas de que o Fundo Monetário Internacional (FMI) venha a liberar a última parcela do ano, de US$ 1,26 bilhões, para o país. O governo não cumpriu as metas propostas e ninguém acredita que será capaz de resolver a crise com as medidas propostas. O risco país voltou a disparar, batendo novo recorde de 3.217 pontos. As taxas do overnight chegaram a 250% ao ano em pesos, o que demonstra o desespero dos investidores em Buenos Aires.Para piorar, os depósitos bancários continuam em queda, assim como as reservas internacionais, que já estão em níveis muito baixos. Se não sair o dinheiro do FMI, o colapso da Argentina será uma questão de muito pouco tempo. E, mesmo que possa contar com os recursos do Fundo, as apostas do mercado são de ruptura no sistema econômico no ano que vem. Os mercados brasileiros voltaram a sentir os efeitos da crise.Fechamento dos mercadosO dólar comercial para venda fechou em R$ 2,5400, com alta de 2,30%. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - fecharam o dia pagando juros de 21,800% ao ano, frente a 21,110% ao ano ontem. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou em queda de 2,17%.O índice Merval da Bolsa de Valores de Buenos Aires fechou em queda de 5,25%. Nos Estados Unidos, o Dow Jones - Índice que mede a variação das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - fechou em alta de 1,21%, e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - fechou em alta de 2,40%. Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.