Dólar e ouro renderam mais em setembro

O dólar fechou o mês de setembro novamente como uma das melhores opções de investimento, juntamente com o ouro. O investidor que apostou na continuidade da valorização do dólar frente ao real, registrou um ganho em torno dos 6%. Já o ouro, um dos investimentos mais procurados em época de crise e instabilidade econômica, registrou um ganho de 13,50%Pelo ranking das aplicações financeiras realizado pela Agência Estado, os fundos cambiais - que pagam uma taxa de juros prefixada mais a variação do dólar - aparecem como uma das melhores opções, registrando uma rentabilidade nominal projetada de 6,24%. Em seguida está o dólar paralelo, com uma ganho de 6,37%. O dólar oficial do Banco Central (BC), que representa uma média diária das cotações do dólar comercial para venda, registrou uma valorização de 4,69% no período.Na renda fixa, os fundos DI - que acompanham a variação da taxa de juros negociada no mercado - foram os melhores, apresentando uma rentabilidade de 1,33%, projetada a partir dos dados da Associação Nacional dos Bancos de Investimento (Anbid). Os fundos de renda fixa - que pagam juros prefixados de títulos públicos federais - aparecem com uma ganho projetado de 1,24%; e, por fim, os CBDs de 30 dias para médias quantias registraram uma ganho de 1,25%As cadernetas de poupança registraram um ganho de 0,66%. Na lanterninha, aparecem novamente os investimentos em fundos de ações. O Ibovespa - índice que mede a valorização mais negociadas na Bolsa de valores de São Paulo (Bovespa) - amargou uma perda de 17,17%. Pelos dados da Anbid, os fundos de ações registraram uma queda projetada de 12,52%. Dólar rumo aos R$ 3Os atentados terroristas sofridos pelos Estados Unidos no dia 11 contribuíram ainda mais para a escalada da cotação da moeda norte-americana, sensível às situações de instabilidade e crise mundiais. As bolsas no mundo inteiro despencaram e o dólar, no Brasil, atingiu cotações recordes, a máxima do comercial para venda foi de R$ 2,84 no dia 21. No entanto, nos últimos dias o governo acenou ao mercado que esse patamar é inaceitável. Para tanto, foram realizados dez leilões de títulos cambiais - NBC-E. Mas não foi só, também foram anunciadas medidas alterando o recolhimento compulsório sobre os depósitos à vista e a prazo, barreiras à compra de dólares pelas instituições financeiras e a permissão para que empresas de capital aberto deduzam os efeitos da alta do dólar nos resultados financeiros de 2001 ao longo dos próximos quatro anos.Hoje pela manhã, o dólar abriu em baixa mas logo reverteu essa tendência. Resta saber apenas até quando o governo conseguirá segurar o patamar da cotação da moeda norte-americana, sobre a qual já existem previsões de que chegue a R$ 3,00 no final do ano, segundo analistas do ABN Amro Bank.Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

Agencia Estado,

28 de setembro de 2001 | 19h14

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.