Dólar é principal moeda de reserva, mas China quer diversificar

País sustenta dólar como principal moeda na reserva de US$ 2,3 trilhões, mas vê na diversificação menor risco

Hélio Barboza, da Agência Estado,

31 de dezembro de 2009 | 07h46

O dólar norte-americano continuará a ser uma moeda de reserva fundamental no curto prazo e o principal ativo nas reservas externas da China, mas a diversificação das reservas do país ajudará "apropriadamente" a dissolver o risco. A afirmação foi feita nesta quinta-feira pelo órgão regulador chinês do câmbio, reiterando a posição de Pequim sobre o assunto no fechamento do ano.

 

O presidente do Banco do Povo da China (banco central do país), Zhou Xiaochuan, também repetiu, numa saudação de Ano Novo postada no website da instituição, que o banco aplicará uma política monetária moderadamente frouxa, permanecendo na meta, mas flexível dependendo das novas situações que surgirem. "2010 é um ano crítico para a consolidação da retomada estável da economia e para a superação da crise financeira internacional", afirmou Xiaochuan.

 

A Administração Estatal do Câmbio (Safe, na sigla em inglês) afirmou, num sumário do sistema de administração cambial do país, que a China continuará a expandir os canais e formas de uso das suas reservas cambiais, acrescentando que as reservas serão usadas para promover uma macroeconomia estável e o interesse nacional.

 

As reservas cambiais da China são compostas pelo dólar norte-americano e por euro, iene e outras moedas, de acordo com o panorama apresentado no website da Safe. Embora o órgão não tenha apresentado mais detalhes, é raro que as autoridades chineses seja tão explícitas sobre a composição das reservas do país - as maiores do mundo, com US$ 2,3 trilhões. Muitos analistas afirmam que as três principais moedas têm um grande peso nas reservas da China.

 

A Safe disse que, embora o dólar permaneça como o ativo principal, um movimento apropriado em direção a uma estrutura mais diversificada e estável de reservas externas pode atender melhor as demandas de pagamentos externos e alocação de ativos, bem como a dissolver o risco. O órgão reiterou que tornar o yuan plenamente conversível sob a conta de capital é um objetivo de longo prazo e que a China implementará uma reforma cambial num ritmo calculado, ao mesmo tempo mantendo o yuan num nível razoável e basicamente estável.

 

As informações são da Dow Jones.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.