Dólar em alta com cenário adverso

O mercado financeiro, principalmente o de câmbio, viveu uma trégua ontem, mas ainda está próximo aos níveis mais altos do período posterior ao Plano Real e os operadores afirmam que os principais fatores de tensão permanecem. Por isso, na abertura dos negócios, a pressão foi forte com o dólar sendo vendido a R$ 3,7100, em alta de 1,23% em relação ao fechamento de ontem. A maioria dos especialistas acredita que essa trajetória de valorização se manterá no decorrer do dia. O principal dos fatores de nervosismo, o temor com a transição política nacional depois de oito anos de governo FHC e economia neoliberal ao gosto do mercado, só terá a primeira resposta no próximo dia 6. Até lá, o tema será constante nas mesas de operações e as especulações em torno de pesquisas serão inevitáveis. Mas não há nenhum levantamento importante para ser divulgado antes do final de semana. O outro destaque, o cenário externo, segue cheio de incertezas. O Pentágono confirmou que as forças aliadas realizaram esta manhã bombardeios no Iraque, mas não ofereceram detalhes. A notícia é de que o ataque foi contra um aeroporto civil no sudeste de Basra.Além disso, dois fatores técnicos também devem pressionar as cotações, segundo especialistas: a proximidade do vencimento dos contratos futuros de outubro - em que a rolagens dessas posições na BM&F distorcem o comportamento de mercado - e o vencimento de US$ 1,25 bilhão em títulos públicos e contratos atrelados à variação do câmbio o dia 1º de outubro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.