Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Dólar em alta mas segue pouco pressionado

O mercado de câmbio hoje deve mostrar o que fala mais alto: o suporte de R$ 3,50 para o dólar, que vem se sustentando com a perspectiva de que os vencimentos de dívida cambial de dezembro são grandes, ou as notícias positivas envolvendo os organismos internacionais de financiamento, que anunciaram apoios importantes ao governo Lula nos próximos anos. Por isso, os operadores avaliam que os primeiros negócios do dia serão cautelosos.E para esse cuidado há outros dois fatores contribuindo. O principal é o resultado do Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) na segunda prévia do mês, divulgado ontem (3,86%), que causa deconforto pela sua magnitude, superior à esperada. Também não agradaram ao mercado as declarações de que o PT endurecerá as relações com os EUA. Apesar disso, os próprios profissionais de mercado dizem que o noticiário positivo é forte e deve evitar nervosismos maiores durante o dia. Afinal, o apoios anunciados são significativos. Da parte do Fundo Monetário Internacional (FMI), haverá a recomendação de aprovação das contas do País que deve resultar na autorização para um resgate por parte do Brasil de US$ 3 bilhões, já em dezembro. O Bird fala em disponibilizar entre US$ 6 bilhões e US$ 10 bilhões nos próximos três anos e o BID, US$ 6,2 bilhões em quatro anos. AberturaNa abertura dos negócios de hoje, às 9h55, o dólar comercial estava sendo vendido a R$ 3,5500, em alta de 0,71% em relação ao fechamento de ontem. Veja aqui a cotação do dólar dos últimos negócios. No mercado de juros, os contratos de DI futuro com vencimento em janeiro, negociados na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), pagam taxas de 22,850% ao ano, frente a 22,750% ao ano ontem.

Agencia Estado,

22 de novembro de 2002 | 10h04

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.