Dólar em alta pode repercutir no varejo, diz IBGE

O gerente da coordenação de Serviços e Comércio do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Reinaldo Pereira, afirmou nesta quinta-feira, 13, que, "caso a valorização do dólar continue, o quadro inflacionário no País irá piorar e terá repercussão no comércio varejista". Para ele, a alta dos preços já está influenciando o desempenho das vendas em alguns setores.

FERNANDA NUNES, Agencia Estado

13 de junho de 2013 | 10h29

Entre os segmentos afetados pela alta do dólar estariam, segundo ele, os de hiper e supermercados, de eletrodomésticos, de informática e comunicação, e de tecidos, vestuário e calçados. Pereira ressalta ainda que a alta da taxa básica de juros (Selic) tem influência nas vendas, como de automóveis. "Tudo que tem reflexo no crédito vai influenciar", afirmou.

A alta de 1,6% das vendas do comércio varejista em abril na comparação com igual período do ano passado é o pior resultado para o mês, em base anual, desde 2003, quando a taxa foi de -3,7%. O desempenho do comércio está sendo influenciado, principalmente, pelo grupo de hiper e supermercados, cujas vendas estão caindo por causa da alta dos preços. "O comércio está sendo prejudicado pela inflação. E isso vem segurando os resultados nesse indicador", afirmou Pereira.

Em 12 meses, a inflação da alimentação em domicílio acumula alta de 15,71%, ante inflação média de 6,5%, segundo o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). O técnico do IBGE destaca ainda que está se esgotando a capacidade dos novos consumidores, a chamada "nova classe média", de permanecer comprando e segurar a expansão do comércio. Ele argumenta que uma demanda reprimida, satisfeita em anos anteriores, não existe mais e já não sustenta o avanço das vendas no comércio.

Isso é perceptível, por exemplo, nas vendas de equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação, que caiu 1,1% de março para abril. Este grupo inclui, entre outros produtos, aparelhos celulares. "De qualquer forma, em abril, os indicadores ainda são positivos, embora, agora, os resultados estejam mais tímidos", disse Pereira.

Tudo o que sabemos sobre:
varejoIBGEpesquisaabril

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.