Dólar em baixa no dia da definição dos juros nos EUA

Depois de ter atingido o valor mais alto em oito meses nesta segunda-feira ? fechou a R$ 2,98 -, o dólar comercial está em queda hoje, dia em que o Federal Reserve define se aumenta a taxa de juros dos Estados Unidos. Na abertura, o dólar caía 0,44%, cotado a R$ 2,967. Às 10h50, caía 0,50%, a R$ 2,965. A princípio, operadores consultados pela Agência Estado previam uma baixa na manhã de hoje devido a uma correção da valorização registrada pela moeda americana ontem à tarde, que consideraram excessiva. O dólar fechou em alta de 1,6% ontem, influenciado pela disparada do risco Brasil, que voltou ao patamar de 700 pontos, e pela continuidade das vendas de títulos da dívida externa e ações brasileiras por parte de investidores estrangeiros. O comportamento relativamente calmo do mercado internacional nesta manhã, com bolsas em leve alta nos futuros de NY e juro da T-Note abaixo dos 4,49%, também ajuda o câmbio a abrir mais calmo hoje.Contudo, tudo vai depender hoje da reunião do Comitê de Mercado Aberto (Fomc) do Fed, o banco central americano. A esmagadora maioria (90%) das apostas é pela manutenção do juro básico americano em 1%, mas a reação do mercado vai se pautar pelo comunicado do Fed, que poderá sinalizar maior ou menor paciência do Fed com as pressões inflacionárias. Uma alta de 0,25 pp em agosto, dizem analistas, está precificada. Se for sinalizada uma alta maior, ou antes de agosto, o mercado tende a reagir mal e o dólar poderia se recuperar da queda da abertura de hoje. Porém, operadores observam que também há o risco oposto. "Se o comunicado vier mais brando que o esperado e sinalizar alta após agosto, o dólar pode embicar", disse um profissional. Se tudo vier dentro do esperado, é possível que o dólar também recue, embora mais lentamente. Veja a cotação do dólar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.